Bem-vindos!

Seja muito bem-vindo à sua primeira e maior fonte de notícias sobre Nicole Kidman no Brasil. Estamos aqui para manter vocês informados sobre tudo o que acontece na carreira da Nicole. Esperamos que aproveitem todo o conteúdo disponibilizado no site. Sinta-se livre para comentar em nossas postagens e visitar nossa galeria de fotos. Não esqueça de também nos acompanhar através das Redes Sociais para manter-se atualizado 24h por dia!

Disclaimer

Seja muito bem-vindo à sua primeira e maior fonte de notícias sobre Nicole Kidman no Brasil. Estamos aqui para manter vocês informados sobre tudo o que acontece na carreira da Nicole. Esperamos que aproveitem todo o conteúdo disponibilizado no site. Sinta-se livre para comentar em nossas postagens e visitar nossa galeria de fotos. Não esqueça de também nos acompanhar através das Redes Sociais para manter-se atualizado 24h por dia!

Pessoas assistindo seus próprios filmes me parece um pouco estranho. Eu estou OK celebrando diretores porque é o trabalho deles. Mas minha própria pequena parte disso, é como [gemidos]. Mas se você é um diretor, é adorável ouvir que você tem orgulho disso. Então eu tenho muito, muito orgulho disso. Eu digo isso a você, Stanley aí em cima, se você estiver me ouvindo. Ele sabe disso de qualquer maneira.

E: Enquanto isso, Bill está dando em cima das duas jovens modelos, que Alice vê. Antes daquela cena no quarto, ela pega o baseado de uma caixa de Band-Aid e se olha no espelho da penteadeira. Definitivamente há uma sensação de que ela está prestes a começar algo. Ela está pronta para um confronto.

Mmm-hmmm. Para cavar por aí. Mas essas eram conversas que nunca tivemos com Stanley, o que você e eu estamos fazendo agora.

E: Ele não gostava de se intrometer nas cenas?

“Por que” era a pergunta mais irritante para ele. É para muitos diretores. Lembro-me de dizer isso a Philip Roth [autor de “The Human Stain”, adaptado para um filme de 2003 estrelado por Kidman] e ele dizer: “Nunca me pergunte isso”. Então ele me deu uma cópia autografada do livro que ele havia dedicatório: “Por que não?”

E: Então Kubrick conseguiria o que queria te desgastando?

Não sei como ele conseguiria. Mas naquela cena, suponho que foi por isso que ele me escalou. Aquela travessura, aquela natureza provocativa, ele descobriu isso e ficou mais imbuído em Alice. A cena em que eu deixo o vestido cair… era eu. Isso não estava escrito. Era meu vestido do meu armário. “É assim que eu tiro o vestido, Stanley.” Como eu tinha muitas roupas, não estávamos pagando para comprar roupas. E Stanley tinha vindo e eu estava mostrando a ele todos aqueles vestidos lindos. Foi assim que aconteceu.

E: Você está ciente de como esse monólogo [Alice dizendo a Bill, “Se vocês homens soubessem” e então revelando sua fantasia sexual sobre o oficial da Marinha] ganhou vida própria? Frank Ocean usou a coisa toda em “Love Crimes”

Sai fora! Você está brincando comigo? Eu adoro isso. Obrigado, Frank Ocean!

E: Quando assisti ao filme novamente recentemente, eu estava tomando notas e escrevi: “Bill é como—.” Acho que Alice estava segurando muita coisa e essa cena era dela —

Cutucando-o. Ou talvez o abra.

E: Bem, essa revelação o deixa devastado.

Mas os seres humanos são devastadores. E você nunca tem acesso real aos pensamentos de alguém. Você pode conhecer alguém. E pode não conhecer. Não são as coisas que queremos ouvir, mas é profundamente honesto.

James Joyce tem aquele conto que eu já tinha lido antes, “De Olhos Bem Fechados”, onde algo é descoberto em 15 segundos que literalmente destrói o casamento ali mesmo, mesmo sendo um casamento muito bom. Porque era baseado no que eles achavam que cada pessoa era. E então é tipo, “Você nunca foi a pessoa que eu pensei que você fosse.”

Stanley sempre disse que os animais são muito mais honestos do que os humanos. Lembro que estávamos assistindo a um programa sobre vida selvagem com leões e o leão entrou e atacou ferozmente. Ele ficou chateado com isso, mas também disse: “Bem, pelo menos os animais são mais legíveis. Você sabe quais são os motivos deles.”

E: Você concordou com ele?

Não! Eu diria a ele: “Isso não é verdade!” [Risos.] E ele diria: “Nicole. Nicole.” Mas eu gosto de ter um senso mais esperançoso dos humanos, o que eu sempre tentaria argumentar em meu entusiasmo juvenil.

E: Você tem a última palavra no último filme de Stanley Kubrick. [Depois que Alice diz a Bill que há algo que eles “precisam fazer o mais rápido possível”, ele pergunta: “O que é isso?” Ela responde com uma palavra.]

E é uma palavra muito boa. [Risos.] E isso também saiu do processo de ensaio. Quando você assiste, é ótimo porque é uma coisa básica e primitiva de se fazer. Mas eu nunca pensei nisso. Eu tenho a última fala no último filme de Stanley Kubrick. Ninguém nunca me disse isso. Isso é uma carreira em si. Eu aceito.

E: O que as pessoas dizem para você quando falam sobre o filme?

Eles querem saber como foi passar tanto tempo fazendo isso, o que eu entendo. Foram dois anos de nossas vidas! [Risos.] Lembro-me de Sydney Pollack quando ele chegou, nos dizendo: “Só vou ficar aqui por cerca de três dias. E parece que conseguimos a cena hoje.” E Tom e eu apenas olhamos um para o outro, dizendo: “Hmmm. Claro, Sydney.”

E: Você não contou a ele? Você imaginou que ele descobriria a verdade logo?

Não. Era como [brilhantemente], “Bem-vindo!” No final, estávamos aprendendo a fazer macarrão porque ele é um ótimo cozinheiro, Sydney. Stanley vinha ao nosso trailer, nós comíamos. Na pequena cozinha do nosso trailer, Sydney fazia esse macarrão de alcachofra inacreditável com [Parmigiano-]Reggiano e esse incrível azeite de oliva e frango assado.

Tínhamos uma casa a 10 minutos de distância, mas morávamos naquele trailer. Tom e eu o dividíamos porque Stanley dizia: “Vocês não vão comprar um trailer cada um. Não podemos pagar por isso.” Tom tinha uma área menor porque ele estava cuidando das coisas. E ele jogava videogame. Foi quando [“Minesweeper”] era grande. Então, havia muito disso.

E: Você sabia que assistir “De Olhos Bem Fechados” se tornou um ritual de filme de Natal para alguns?

Nossa. Esse é um filme de Natal estranho! [Risos.] Bem, há tantas camadas em todos os seus filmes, e é por isso que continuamos voltando a eles.

E: Você acha que o filme finalizado foi sua versão final?

Ah, sim. Ele estava editando por 18 meses. Não era como se ele não tivesse tempo suficiente. Ele estava muito feliz com isso. Para ele nos mostrar, isso é enorme, se você conhece Stanley. E o pessoal da Warners estava lá. Ele não voltaria à prancheta.

E: Você já o viu novamente desde aquela exibição inicial em março em Nova York, pouco antes de ele morrer?

Eu vi pedaços dele. Mas nunca assisti até o fim. [Pausa.] Talvez eu assista no Natal. [Risos.]

E: Não é um filme que você vai assistir com suas filhas, certo?

Definitivamente não. No tributo do AFI [Life Achievement Award], elas viram a cena em que eu fico chapada. Eles mostraram isso e eu fiquei tipo, “Ooooh. Nossa. OK.” Sentei ao lado da minha filha, Sunday, assistindo isso.

E: Ela disse alguma coisa para você?

Ela disse: “Mãe, isso foi bom.” E então eles mostraram aquela cena em “Birth”, aquela sobre a qual você e eu conversamos, e ela disse: “Isso foi muito bom.” E eu assisti aquela cena e pensei: “Uau. Isso foi muito bom.” E eu nunca faço isso.

E: Você provavelmente também não via isso há séculos.

Pessoas assistindo seus próprios filmes me parece um pouco estranho. Eu estou OK celebrando diretores porque é o trabalho deles. Mas minha própria pequena parte disso, é como [gemidos]. Mas se você é um diretor, é adorável ouvir que você tem orgulho disso. Então eu tenho muito, muito orgulho disso. Eu digo isso a você, Stanley aí em cima, se você estiver me ouvindo. Ele sabe disso de qualquer maneira.

Fonte.

Nicole Kidman estava ansiosa para fazer uma comédia romântica.

A vencedora do Oscar queria mudar de rumo após interpretar uma dona de casa tragicamente deprimida na minissérieExpats do Prime Video. Ela queria se divertir. Queria que Hollywood, pela primeira vez, lhe enviasse um roteiro de comédia romântica.

Quando recebeu o roteiro de “A Family Affair”, Kidman agarrou a oportunidade de abandonar sua persona dramática e assumir um material mais leve. No filme da Netflix, que estreia na sexta-feira, ela interpreta Brooke Harwood, uma mãe viúva e memorista premiada com bloqueio de escritor. A filha de 24 anos de Brooke, Zara (Joey King), ainda mora em casa enquanto trabalha em um emprego ingrato como assistente pessoal sobrecarregada de Chris Cole (Zac Efron), um astro de cinema vaidoso e inseguro que ameaça demiti-la ao menor erro.

Uma tarde, Brooke inesperadamente encontra Chris, que é 16 anos mais novo que ela, e a atração física é instantânea. Eventualmente, isso floresce em um amor verdadeiro, o que irrita Zara; ela teme que Chris vá partir o coração de Brooke assim como fez com suas ex-namoradas. Mas Brooke não é qualquer mulher. Ela tem a sabedoria que vem com a idade, e a fama global de Chris como astro de uma franquia de super-heróis não significa nada para ela. Em vez disso, ela vê o homem brincalhão e amoroso que ele é por dentro. E ele realmente a valoriza, corpo e alma, dando-lhe algo sobre o que escrever novamente. (Está ficando quente aqui?)

Kidman, 57, e Efron, 36, anteriormente interpretaram amantes em “The Paperboy de 2012, um melodrama intenso com um final extremamente diferente. Eles estavam ansiosos para se reencontrar, desta vez em uma comédia romântica cheia de piadas, onde as apostas são menos sobre vida e morte e mais existenciais. A questão atemporal — O que estou fazendo da minha vida? — reverbera ao longo do filme.

Recentemente, o Times conversou com Kidman, Efron e King para discutir as alegrias e os tabus de filmar uma comédia romântica que emparelha uma mulher mais velha com um homem mais jovem — uma dinâmica que continua a despertar interesse público, e às vezes desprezo. Kidman, como de costume, estava pronta para o desafio, e Efron achou isso irresistível. Esta conversa foi condensada e editada para maior clareza.

Assisto a muitas comédias românticas, e esta se destaca como um feliz casamento entre elenco e roteiro. Como o roteiro de Carrie Solomon chegou até você?

Kidman: Foi uma daquelas coisas em que me enviaram o roteiro e eu li e pensei: “Sim, eu tenho que fazer algo que seja divertido, engraçado e completamente diferente.” Porque eu tinha passado por Expats — você sabe, a trajetória da minha carreira sempre me levou mais para o drama. Eu estava tipo: “Por favor, estou implorando para me divertir e ser considerada para algum tipo de comédia romântica em algum momento.” Então, isso chegou até mim, e eu fiquei tipo: “Sim, por favor, por favor, por favor.” Porque nunca me oferecem esses papéis. Eu nunca sou considerada.

Efron: Acho que havia algo específico sobre os personagens que me fez sentir uma conexão natural com eles. Eu podia entender o Chris em alguns níveis e o que ele estava passando, e isso foi emocionante de pensar em interpretar. Então, claro, nesse ponto Nicole já estava envolvida — e eu sonho em trabalhar com a Nicole — e a Joey também estava em negociações para o filme. Esse era simplesmente um cenário dos sonhos para uma comédia romântica.

Kidman: Joey é tão engraçada. Foi aquele tipo de coisa em que você pensa: “OK, ótimo. Há essa jovem que pode entrar e simplesmente arrasar.”

Efron: Inicialmente, o roteiro se chamava — posso dizer isso?

King: Sim, diga. Estamos no L.A. Times.

Kidman: Tinha um título diferente.

Efron: Tinha um título diferente, o que o tornava realmente emocionante de ler. Era chamado Motherf—.” Assim que você pega esse roteiro — quando vê isso na capa — não consegue evitar querer lê-lo.

Nicole e Joey, a história de vocês não é uma típica relação entre mãe e filha. Em alguns momentos, os papéis se invertem, e Zara assume a posição de mãe superprotetora — nesse caso, querendo manter Brooke longe de Chris. Como foi interpretar isso?

King: Uma das partes mais verdadeiras e realistas sobre isso, que eu realmente amo, é aquele momento específico em que uma criança, não importa quão velha seja, percebe que seu pai ou mãe é uma pessoa, não apenas seu pai ou mãe. [Zara] precisa aprender a crescer um pouco, e Brooke está tentando ensiná-la e ajudá-la a tomar suas próprias decisões. Zara quer ser adulta, mas ainda está presa nesse papel de criança. Acho que ambas realmente se veem pela primeira vez como “Você não é apenas meu pai/mãe. Você é uma mulher real que tem desejos femininos e eu preciso crescer. Eu não sou apenas uma criança.” Essa transição é realmente profundamente desconfortável para elas, e há muita tensão e conflito, e Chris fica no meio dessa tensão.

Kidman: Há também uma quantidade enorme de amor. Elas gostam de passar tempo juntas… Assistimos TV juntas, comemos juntas, vemos shows juntas. Existe esse tipo de lacuna que eu tinha e agora preenchi com ela, então em algum momento tenho que deixá-la ir.

Zac, você interpreta um personagem à la Tom Hanks em “Você Tem Uma Mensagem”. Você pega um cara com qualidades de vilão e faz com que valha a pena torcer por ele. Como você se conectou com Chris?

Efron: Eu consigo me identificar com Chris de várias maneiras, mas foi divertido mergulhar em diferentes emoções e coisas que me fizeram sentir por ele. Ele está lutando. Ele não está lidando da melhor forma… Eu acho que ele está sinceramente tentando o seu melhor e é apenas difícil. Ele está provavelmente descontando de uma maneira que não quer, mas é muito abrasivo com sua assistente. [Depois], ele conhece Brooke, com quem ele não precisa realmente fingir ser nada além de si mesmo.

Nicole e Zac, vocês ambos estrelaram em “The Paperboy”. O personagem de Zac estava perdidamente apaixonado pelo de Nicole, que por sua vez estava perdidamente apaixonada por um criminoso condenado (John Cusack). Como foi se reunir 12 anos depois — para uma comédia romântica?

Efron: O tom de “The Paperboy” é muito diferente, mas a essência dos nossos personagens estava lá para “A Family Affair”, e havia um tipo de amor não correspondido. Não conseguimos realmente levar isso até o fim, e desta vez sentimos que poderíamos extrair muito dessa experiência e levá-la a um novo nível. E foi fácil. Pareceu muito natural.

Kidman: Nós nos damos muito bem um com o outro. Quero dizer, parte disso foi pensar, “Se você está fazendo isso, eu vou fazer [com você].” Nós queríamos fazer isso juntos. Eu sei o quão engraçado ele é e ele também é apenas corajoso. Na verdade, com a comédia e tudo mais, ele estava tipo, “OK, vamos tentar isso. Vamos tentar aquilo.” Era tipo “vale tudo”. … Eu só queria poder estar com um grupo de pessoas que não levassem tudo tão a sério. Isso nos permitiu apenas brincar. Porque muito disso é brincadeira.

A cena em que Zara descobre Chris e Brooke na cama, então bate a cabeça em horror, é um brilhante momento de comédia física. Quantas tomadas foram necessárias para isso?

Kidman [indicando para King]: A perfeccionista aqui continuava pedindo para fazer de novo e de novo e de novo.

King: Quando estou fazendo qualquer coisa que envolva algum tipo de trabalho de dublê, gosto de assistir à reprodução para ver se estou vendendo o suficiente. O impacto na cabeça parecia falso nas três ou quatro primeiras tomadas, então eu provavelmente fiz seis ou sete ou oito.

Kidman: Mais do que isso. Talvez 20, 15? Ela dizia: “Vou fazer de novo!” E nós: “Não se machuque.”

King: Os dois foram muito engraçados e solidários. Eles se divertiram muito. Estavam fora da câmera e ficaram para me assistir.

Efron: Foi tão divertido que tivemos que ficar. Tipo, você estava dando tudo de si. Não houve efeitos sonoros quando você bateu a cabeça… Foi tipo umas sérias vibrações de Jim Carrey.

Kidman: Lucille Ball.

Assim como “The Idea of You“, “A Family Affair” é um romance leve que junta uma mulher mais velha e um homem mais jovem, um trope que a sociedade ainda trata com suspeita. Por que histórias assim são importantes de contar?

Kidman: Quero dizer, só posso dizer que estou feliz que todo o cenário esteja mudando, e isso não deveria ser uma anomalia. Tivemos uma abundância de homens mais velhos com mulheres mais jovens, mas não tivemos essa mesma abundância de mulheres mais velhas com homens mais jovens. E por que não? “A Family Affair” foi escrito pela [Solomon], que entrou e disse: “Isso é o que eu quero contar. Esta é a história que quero contar.” Agora vamos começar a ver os efeitos do trabalho que vem sendo feito nos últimos cinco, dez anos, onde ainda estamos tentando mudar o cenário de narrativas e colocar as mulheres em posições de poder para que elas possam contar essas histórias — sejam comédias, dramas, thrillers, qualquer que seja. Simplesmente não tivemos o equivalente ao que tivemos com o olhar masculino.

Efron: Queremos mais disso. Precisamos de mais disso.

Kidman: E somos sortudos por ter caras como o Zac que estão dispostos a dizer, “Sim, estou dentro. Vamos lá.”

Efron: Sim, isso funciona muito bem para mim. Eu estou tipo —

King: “Sim!”

Os cineastas me disseram que têm dificuldade em convencer atores a estrelar comédias românticas. Por que isso frequentemente acontece?

King: Acho que talvez algumas pessoas não as façam porque têm medo de não serem levadas a sério como atores sérios. … Pessoas que conseguem atuar em gêneros muito diferentes, acho que é realmente a maior demonstração de versatilidade que você pode ter. Olhe para o Zac. Ele estava treinando para “Iron Claw” enquanto fazia “A Family Affair”. … Que demonstração de versatilidade.

Efron: É importante. Você realmente quer, eu acho, ser capaz de pelo menos tentar tudo.

King: Comédia é divertida! Comédia é divertida e comédia é difícil. Comédia é realmente difícil. 

A comédia pode ser mais difícil do que o drama?

King: Pode ser.

Kidman: Depende de quem está no comando. Depende da química.

Efron: Se você conseguir levá-lo a um ponto onde seja real, de certa forma, é estranhamente parecido com um drama.

Kidman: Sempre dizem que é uma linha muito tênue, especialmente quando você está fazendo um drama, pode-se rapidamente passar para a sátira ou comédia. … Nesse sentido, é quase como com o drama: você tem que dizer, “Não, não, fique aqui no momento presente.” Porque se começarmos a ridicularizar, pode-se rapidamente entrar nesse lugar e depois é difícil voltar.

King: É difícil, e é mais fácil quando se tem uma equipe criativa que apoia e os atores com quem se trabalha são super não julgadores. Estamos todos lá enquanto cada um de nós faz esses movimentos loucos em termos de improvisação e riscos. Alguns deles não funcionam, mas não me sinto constrangida. … Ainda é algo difícil de acertar às vezes, mas você não sente que há limitações no que pode fazer quando tem pessoas realmente ótimas para trabalhar.

No filme, é revelado que Chris não faz compras em supermercados desde que se tornou mega famoso. Vocês conseguem se relacionar com isso?

King: Não, não consigo. Eu vou ao supermercado o tempo todo.

Kidman: Eu tenho filhas adolescentes. Nós vamos ao supermercado porque cada uma quer algo diferente.

King: [para Kidman:] Você acha difícil ir ao supermercado, por causa de todos que te reconhecem?

Kidman: Não. Eu coloco um boné… e mantenho a cabeça erguida, e nós entramos lá.

King: Eu adoro o supermercado.

Kidman: Tenho que dizer que é até divertido e relaxante.

King: Algumas pessoas acham o supermercado muito estressante, mas eu acho realmente adorável. Acho muito divertido, especialmente porque geralmente estou indo fazer algo que estou animada para preparar.

Chris pede a Zara para comprar para ele Oreos sabor morango. Zac, qual é o seu lanche preferido?

Kidman [para Efron]: Você é um ótimo beliscadorporque é muito saudável.

Efron: Tenho comido muito limpo ultimamente.

King: Eu dei a ele esses Pop-Tarts proteicos como parte do presente de encerramento.

Efron: Foi a coisa mais doce que eu tinha em meses e foi tão bom… Acho que comi todos de uma vez só.

Fonte.

Há 57 anos atrás, no dia 20 de junho de 1967 nascia a nossa estrela. Não é por acaso que seu nome havaiano é Hokulani (na tradução: Estrela no céu/Estrela Divina). Você é uma estrela que brilha intensamente e faz de seu brilho algo eterno.

Não existe as palavras certas para você. És rara, uma pessoa que sempre esteve presente mesmo longe. O dia de hoje é de uma grandeza sem igual, é um dia único para nós comemorarmos, com alegria, a sua existência pulsando no mundo. Nós te admiramos e sempre iremos enaltecer todas as coisas que você fez e faz na vida. Nós escolhemos você. Seu coração é tão lindo que não cabe no peito e sua gentileza ilumina o mundo.

Sua existência melhora a nossa vida. Sempre que olhamos para você, que escutamos a sua voz, temos força para encarar a vida de frente. Você nos faz acreditar que todos os nossos sonhos podem ser realizados. Você nos dá confiança. É pertinente destacar novamente que és rara.

Você é um belo exemplo de vida, nunca desistiu dos seus sonhos, sempre alegre e de bem com a vida, consegue transmitir uma paz sensacional e um amor incondicional, e é por isso que decidimos nos tornamos suas fãs. A garota de cabelos cacheados, australiana e com os olhos azuis igual o oceano, conquistou o mundo e essa garotinha cheia de sonhos está muito orgulhosa da mulher que você se tornou.

Nunca se esqueça de uma coisa: Nós, seus fãs, te amamos e estaremos sempre ao seu lado, não importa o que aconteça, nós vamos ter amar completamente e imensamente. São 57 anos, um novo ciclo, uma nova fase que se inicia na sua vida, e não poderíamos estar mais orgulhosas de você e de tudo que você construiu. Hoje é o seu dia, queremos que você aproveite MUITO porque você sabe que merece. Queremos te desejar tudo de melhor, muita saúde, muitas felicidades, que você continue no caminho certo, o caminho do amor e que todo o seu sucesso seja cada vez mais reconhecido. Estaremos ao seu lado mesmo com suas escolhas “estranhas” (mas sinceramente, elas não são estranhas, elas são cheias de amor pela arte). Você nos ensina a escolher todos os dias o caminho que nos encha de amor e nós, escolhemos todos os dias você, pois você é a figura mais crua e cristalina do que é AMOR.

Feliz seu dia todos os dias, Nicole. Nós te amamos muito!

Com amor,
Suas fãs.

Depois de 26 anos, as mulheres Owens estão retornando. A Warner Bros. anunciou um filme de acompanhamento do clássico de 1998, “Practical Magic”, com Sandra Bullock e Nicole Kidman em negociações para retornar.

O primeiro filme estrelou Bullock e Kidman como as bruxas irmãs Owens, que se envolvem em encobrimento sobrenatural depois que Bullock (involuntariamente) droga e mata o ex-namorado abusivo de Kidman (Goran Višnjić) forçando-os a reanimar seu cadáver. Dirigido por Griffin Dunne e adaptado do romance de mesmo nome de 1995 por Alice Hoffman, o filme original é um item popular e assustador da temporada para pessoas que realmente gostam de cristais.

Akiva Goldsman escreverá o roteiro do novo filme, com Bullock e Kidman esperando para produzir ao lado de Denise Di Novi.

Os fãs começaram a borbulhar sobre o futuro do filme no domingo, quando um anúncio foi feito à meia-noite no TikTok — um aceno para a cena das “margaritas da meia-noite” do primeiro filme — que o filme agora estava disponível em digital e disponível para transmissão no Max. Mas a grande notícia foi guardada para segunda-feira de manhã, onde foi revelado que “Practical Magic 2” estava oficialmente em andamento.

Em 2019, a HBO Max estava buscando uma série spin-off “Practical Magic”, “Rules of Magic”, baseada no romance prequel de Hoffman. Essa série eventualmente desapareceu no éter de Hollywood, mas o fandom continua vivo.

O filme segue as mulheres da família Owens, um grupo de senhoras magicamente inclinadas e mágicas que são abençoadas com o dom sobrenatural, mas amaldiçoadas por sua matriarca. Depois de ser abandonada por seu amante, grávida e sozinha, Maria Owens lançou um feitiço sobre si mesma de que nunca mais sentiria a agonia do amor. De acordo com a letra e o membro do elenco de “Practical Magic”, Stockard Channing, “À medida que sua amargura crescia, o feitiço se transformou em uma maldição. Uma maldição para qualquer homem que se atreveu a amar uma mulher Owens.” Entre Bullock e Kidman, duas irmãs embentadas a quebrar essa maldição e se libertar de uma vida inteira de fofocas maliciosas de seus habitantes da cidade.

O filme original está recheado com seu próprio tipo de magia, desde a trilha sonora perfeita de Alan Silvestri (o primeiro sorteio na Warner Bros. no início desta semana online) até a maneira como Dunne filmou os atos paranormais de Owens, bem, praticamente. Além disso, a trilha sonora é carregada de gênios bruxos reais, incluindo a regravação de Stevie Nicks de “Crystal” e “If You Ever Did Believe”, juntamente com “A Case of You” de Joni Mitchell.

Fonte.

Nicole Kidman, Brie Larson, Anna Sawai e Naomi Watts falam sobre tudo, desde atuação de método até menopausa e cheirar cocaína (na tela). “Não sei se alguém contou a vocês, mas nenhum de nós sabe o que está fazendo”, anuncia a duas vezes vencedora do Oscar, Jodie Foster, no meio da mesa redonda de atrizes de drama do Emmy. Ela está cercada por mais duas vencedoras do Oscar — Nicole Kidman de Expats e Brie Larson de Lessons in Chemistry — que concordam com a cabeça. A estrela de True Detective continua, “e essa é a verdadeira beleza disso, ter essa frescura de duvidar de si mesmo.” Ao longo de uma hora no The Georgian Hotel em Santa Monica, esse trio, junto com Jennifer Aniston de The Morning Show, Anna Sawai de Shogun, Sofía Vergara de Griselda e Naomi Watts de Feud, discutem tudo, desde mentoria até menopausa. Quem aqui já mentiu para conseguir um emprego?

NAOMI WATTS: Ah, com certeza.

BRIE LARSON: Todos nós mentimos e dissemos que sabíamos andar a cavalo, e não sabíamos.

NICOLE KIDMAN: Eu sei andar a cavalo, mas menti sobre patinar no gelo. Não é uma boa coisa para mentir.

JENNIFER ANISTON: Eu talvez não tenha sido totalmente honesta. Eu disse que não sabia andar a cavalo, só porque não queria andar a cavalo.

WATTS: Ah, eu definitivamente adicionei habilidades especiais ao meu currículo naquela época. Múltiplos idiomas, muitos esportes estranhos.

SOFÍA VERGARA: Eu não menti para conseguir um emprego, mas menti para meus agentes para que me aceitassem quando me mudei para L.A. Eu disse que sabia cantar e dançar. Por que não? Eu não achava que iam me mandar. Então eles me mandaram para uma audição para Chicago na Broadway.

TODAS: Não!

VERGARA: Mas eu consegui o papel.

LARSON: O quê?!

ANISTON: E então o que aconteceu?

VERGARA: Eu interpretei Mama Morton em Chicago.

ANNA SAWAI: Meu Deus.

JODIE FOSTER: Então, mentir compensa.

Jodie, você é conhecida por entrar em contato com jovens atrizes e oferecer conselhos. O que motiva esse contato e o que você diz a elas?

FOSTER: Acho que me vejo como uma espécie de figura materna. Se eu vejo alguém bêbado e caído em um evento, por exemplo, posso dizer, “Então, o que está acontecendo?” Porque eu sinto por elas, e sou realmente grata à minha mãe por me ajudar a passar por tudo isso. De alguma forma, consegui ter uma série de regras que me permitiram sobreviver.

Para o resto de vocês, o que teria sido útil ouvir quando estavam no início de suas carreiras?

WATTS: Apenas permita-se ser você mesmo e não se compare com outras pessoas. Eu vivi muito fora do radar por cerca de 10 anos, fazendo audições, e sempre me encontrava em uma sala de espera com 10, 12 pessoas, pensando, “Oh Deus, ela parece sexy, eu deveria ser mais sexy. Eu usei a roupa errada.” Ou, “Ela parece inteligente, deixe-me colocar alguns óculos.”

FOSTER: Saber que você pode dizer “não” foi uma grande lição para mim.

ANISTON: Sim!

FOSTER: Isso é o que é bom sobre esta nova geração. Eles estão muito confortáveis em dizer não, estabelecer limites e dizer: “Eu não gosto disso, e quero fazer aquilo.” Eu não sabia que isso era possível.

Brie, ouvi você falar sobre seus primeiros dias como cantora pop, e fico impressionada com a coragem que você tinha como adolescente para rejeitar coisas que não pareciam certas ou boas para você. De onde veio isso e como foi recebido?

LARSON: Ah, não foi bem recebido. Eu estou mais confortável com o quanto isso deixa as pessoas desconfortáveis, por eu ser muito clara sobre o que é um sim e um não para mim. Aprendi que, se eu puder entender o que é um não e ser capaz de dizê-lo antes de ficar chateada com isso, na verdade, evita muito drama no final. E a coisa que gosto de lembrar a mim mesma é que todos podem ter o que querem de mim no set, mas eu tenho que ir para casa e viver comigo mesma. Não estou dizendo que tenho um histórico perfeito. Claro, houve momentos em que eu pensava: “Por favor, alguém me ame.” Mas minha equipe costumava brincar que eu estava dizendo não antes de ser permitido dizer não. Eu dizia: “Não vou fazer isso.” Ou, “Isso é inadequado.”

SAWAI: E sua equipe apoiava isso?

LARSON: Sim, eles apoiavam.

SAWAI: Ah, que bom. Porque eu estava trabalhando no Japão por um tempo [também como estrela pop], e eles diziam: “Dizer sim é a coisa mais madura que você pode fazer. Sempre diga sim, não nos diga realmente o que você quer. Estamos fazendo isso há muito tempo, então apenas confie em nós.” Só nos últimos anos comecei a me acostumar a dizer o que quero. E é tão revigorante porque minha equipe diz: “O que você quer fazer?” E eu fico tipo: “Eu?”

KIDMAN: Eu ainda tenho dificuldades com o não. Parte do que fazemos é mergulhar em coisas que são profundamente desconfortáveis. E eu tive que me ensinar a não sempre dizer: “Eu não posso fazer isso.” Minha reação inicial pode ser essa em vez de, “OK, vá devagar.” Porque às vezes preciso ser persuadida. Ainda estou encontrando essa bússola.

Brie, também ouvi você dizer que, se souber que alguém vai interpretar um super-herói, você entra em contato. Que tipo de dicas você costuma compartilhar?

WATTS: Espere, você é uma mentora de super-heróis?

LARSON: Sempre. Eu sou a primeira pessoa a enviar um e-mail para todos porque é algo muito específico e muito estranho. As pessoas dizem: “Eu não sei como fazer isso.” Sim, ninguém sabe. Por que saberiam? Eu digo: “Treine, porque você vai querer estar o mais preparado fisicamente possível, pois o trabalho só fica mais difícil com o tempo. E realmente entenda como ir ao banheiro com seu traje.” No primeiro filme da Capitã Marvel, levaram 45 minutos para me colocar e tirar daquele traje.

ANISTON: Não havia nem uma pequena portinhola secreta?

LARSON: Não! Por isso eu digo: “Faça um plano.”

ANISTON: Sim, um pequeno zíper.

LARSON: Eu não suporto quando as pessoas têm que esperar eu ir ao banheiro, então eu tinha que planejar o tempo.

WATTS: Ah, isso me daria ansiedade.

ANISTON: Você não pode beber um gole de água.

LARSON: É toda uma coisa, e é muita pressão. E acho que é uma coisa estranha, especialmente quando você é um novato e é encarregado de ser o mais poderoso blá, blá, blá de blá, blá, blá, e você se sente assustado. É muito difícil ser o confiante e descolado quando você pensa: “Será que sei o que deveria estar fazendo?”

Para todos, como vocês descreveriam a era atual em que estão, em termos dos projetos que estão chegando até vocês? Jen, alguns anos atrás, você disse que estava recebendo muitas ofertas de materiais sombrios…

ANISTON: Bem, viver nesse espaço sombrio como comediante, no fim das contas, quando comecei, é realmente difícil. É por isso que eu escuto SmartLess no caminho de ida e volta para o trabalho [em The Morning Show], só para rir e sair desse [estado mental]. Eu não vivo na minha personagem, o que sei que algumas pessoas fazem. Eu escolho me livrar disso o mais rápido possível. E então, normalmente, digo, quando termino [a temporada]: “Eu preciso de uma comédia agora.”

Como é com você, Sofía?

VERGARA: Eu me sinto muito deslocada aqui porque este é meu grupo favorito de atrizes, e percebo que não sei nada sobre atuação.

ANISTON: O quê? Não!

VERGARA: Não de uma maneira ruim, é apenas a realidade. Fiz 11 anos em Modern Family, mas era quase interpretando a mim mesma de certa forma. Nunca fui a uma aula de atuação na vida. E quando decido fazer algo diferente, é difícil porque este sotaque é lindo, mas é como, eu não posso ser uma cientista, eu não posso ser uma astronauta.

FOSTER: Claro que pode.

VERGARA: Se eu produzir o filme, talvez, mas não vai ser ótimo.

KIDMAN: (Para a câmera) Isso é o que ela quer fazer a seguir.

VERGARA: Oh não! (Levanta os seios) Eu não quero ser uma cientista com esses. (Risadas.) É por isso que, por exemplo, quando decidi fazer Griselda, não estava pensando, “Ah, quero [me distanciar] de Gloria. Não, foi porque eu conhecia aquele personagem. Eu vivi na Colômbia naquela época. Meu irmão era traficante de drogas e foi morto. Mas eu nunca tinha visto isso como uma mulher — eu conhecia muitos, muitos homens assim. Então eu disse, “Talvez eu não consiga fazer isso. Vou descobrir com quem Jennifer Aniston [que também fez a transição de uma sitcom para o drama] trabalhou.”

ANISTON: Eu ia dizer, toda vez que vou trabalhar, mesmo quando começo a próxima temporada de The Morning Show, penso: “Eu não sei como fazer isso.” É como se eu não tivesse absolutamente nenhuma memória de como ser atriz.

VERGARA: Eu fiquei tipo, “[Qual coach de atuação] ela procurou para se preparar?” E eu descobri…

ANISTON: Nancy Banks?

VERGARA: Sim! Eu disse, “Você pode me ajudar com isso? Eu nunca fiz isso, mas quero fazer.”

ANISTON: Estou tão feliz que isso aconteceu.

O que vem para você agora?

VERGARA: Comédia, claro, que eu amo. Eu não quero ser a Gloria de novo, mas eu não consigo tirar esse sotaque de jeito nenhum. Eu tentei no começo da minha carreira. Quando me mudei para L.A., pensei: “Não acredito que Penélope Cruz ou Salma Hayek não mudam seu sotaque, elas teriam muito mais oportunidades. Eu vou fazer isso.” Então gastei muito dinheiro e tempo com pessoas me ensinando, e foi uma grande perda de tempo. (Para Kidman e Watts) Vocês sabem fazer todos os sotaques do mundo.

KIDMAN: Ah, com ajuda!

WATTS: Mas é engraçado. Nic, você acha que, se interpretar uma australiana, precisa de um coach?

Isso é verdade?

KIDMAN: Não! (Risadas.)

WATTS: OK. Bem, sim, ela é muito mais australiana do que eu. Ela é uma australiana de verdade, eu tenho um pouco de britânico em mim.

KIDMAN: Dá para ouvir isso? (Com sotaque britânico) “Eu tenho um pouco de britânico em mim.”

WATTS: Mas eu mudei meu sotaque para tantos programas e personagens diferentes que às vezes esqueço qual é a minha própria voz. Porque você trabalha tanto para ser compreendida.

VERGARA: Imagine, essa é a minha vida! (Risadas.)

Anna, ouvi você dizer que inicialmente temia que Shogun fosse mais uma representação de mulheres japonesas sendo sexualizadas por homens brancos. Quantos outros roteiros você leu antes deste em que isso estava acontecendo?

SAWAI: Não eram apenas mulheres japonesas sendo sexualizadas. Era que elas eram definidas pelo relacionamento que tinham com o personagem masculino, ou não entendíamos realmente sua história, elas eram sempre como subpersonagens. E muitas vezes, quando você ouve falar de mulheres japonesas, você pensa: “Ah, elas são obedientes, são sexy ou de alguma forma conseguem fazer apenas ação.” E isso não é quem somos — somos muito mais complexas. E mesmo que pareçamos obedientes, é porque a sociedade nos fez assim e há muito que está engarrafado dentro de nós. E na mídia ocidental, eu nunca tinha visto uma mulher complexa que tivesse sua própria história. Então, quando li o roteiro pela primeira vez, era minha personagem entrando em um banho com o piloto branco. Eu pensei: “OK, isso vai ser a mesma coisa.” Eu interpretei dessa forma e eles não me chamaram de volta.

Então, o que mudou?

SAWAI: Eu tive uma conversa com o nosso showrunner e ele explicou que não era esse tipo de cena. Ele queria que fosse apenas uma conversa. Então, eu gravei novamente e interpretei como se ela não estivesse realmente tirando o quimono e eles estavam apenas…

VERGARA: Iguais?

SAWAI: Sim, e eles gostaram de mim. Então, quando isso aconteceu, eu pensei: “Ok, esse é o tipo de mulher que não tivemos a oportunidade de ver, e tenho certeza de que as mulheres japonesas, quando assistirem, se verão refletidas.” E, no final, com aquela cena do banho, na verdade, tínhamos o Blackthorn na fonte termal, mas minha personagem apenas entrou e sentou-se e olhou para fora. E é ainda mais íntimo porque você sabe que não há nada físico nisso. Tenho sorte de finalmente estarmos conseguindo dar uma representação de mulheres japonesas reais.

WATTS: Brilhante.

Para os outros, quais são os termos desencadeantes nas descrições de personagens que fazem você dizer: “Não vou fazer isso”?

LARSON: “Quebrada mas bonita.” Ou “bonita mas ela não sabe disso.” (Faz um gesto de face-palm.) Eu li isso tantas vezes. Provavelmente li isso na semana passada.

FOSTER: Durante a maior parte da minha carreira, sempre fiquei chocada que tantos roteiros que li, a motivação inteira para a personagem feminina era que ela tinha sido traumatizada por estupro. Isso parecia ser a única motivação que os roteiristas masculinos conseguiam encontrar para explicar por que as mulheres faziam as coisas. … Ela está meio de mau humor, sim, definitivamente há algum estupro no passado dela.

Nossa.

FOSTER: Sim, estupro ou abuso parecia ser a única grande história emocional sórdida que eles podiam entender em mulheres. E eu não levava isso para o lado pessoal. Mas quando fiquei mais velha, acho que tive a responsabilidade de entrar e dizer: “Você nem sempre vai ter a personagem feminina mais perfeitamente desenvolvida, mas talvez haja uma oportunidade para nós trabalharmos juntos e criar algo dessa maneira?”

KIDMAN: É por isso que acho que agora todas estamos trabalhando duro para colocar mulheres no comando, porque o ponto de vista muda completamente.

Anne Hathaway disse algo recentemente que me surpreendeu e perturbou. “Nos anos 2000,” ela disse, “era considerado normal pedir a um ator para beijar outros atores para testar a química. … Fui informada: ‘Temos 10 caras vindo hoje e você foi escalada. Não está animada para beijar todos eles?’” Ela não estava animada, é claro. Mas quem aqui pode se relacionar com isso e quais foram suas versões disso?

KIDMAN: Ficar animada para beijar alguém? Acho que talvez secretamente já fiquei animada. (Risos.)

ANISTON: Nunca me disseram que eu teria que deitar e…

WATTS: Simular?

ANISTON: Sim. E se me pedissem, eu nunca faria.

WATTS: Eu já fiz. Apenas uma vez, e foi muito constrangedor. Eu estava fazendo um teste e não consegui o trabalho, então claramente não fiz um bom beijo. Foi com um ator muito conhecido. Foi constrangedor porque não ouvimos um “corta”, e continuou por muito tempo.

VERGARA: Oh, não.

WATTS: Então eles disseram: “Ok, ok.” E nós dois ficamos tipo, “Oh, desculpe, não ouvimos…” Eu me senti um pouco abalada.

A própria ideia de uma leitura de química é desconfortável por várias razões, incluindo o fato de que, se você não tem química, geralmente acaba vendo essas pessoas novamente.

KIDMAN: Além disso, você pode não ter química e, na tela, isso é resolvido.

ANISTON: Sim!

KIDMAN: Há uma maneira de filmar as coisas. Acho que apenas confiar na química é preguiçoso. Tem a escrita. Tem a interação. Você pode literalmente ser dirigido para isso.

ANISTON: Além disso, quando você está em uma sala de audição, você já está em desvantagem. Talvez você tivesse química com essa pessoa se estivesse em um ambiente diferente e não fosse, tipo, “Crie química. Pronto? Vai!” E eu sou uma péssima em audições, sempre fui. Trabalhei como garçonete por muito tempo antes de finalmente conseguir algo, que foi um comercial do Bob’s Big Boy. Então, se você já é um audicionista nervoso, e ainda te dizem, “Agora vamos fazer você beijar um completo estranho,” é muito desconfortável.

WATTS: É impossível.

KIDMAN: Sim, me dirija!

ANISTON: Coloque uma música ou algo assim.

WATTS: Algumas pessoas são realmente boas em audições, mas eu também era terrivelmente ruim. Eu podia sentir a energia na sala onde as pessoas estavam tipo, “Acelere isso.” Eu até dizia, “Sim, não se preocupe, eu saio do seu caminho em um segundo. Você nem precisa olhar nos meus olhos e apertar minha mão.” Foi necessário conhecer David Lynch, que é um mestre do cinema, e ele apenas sentou e conversou comigo [para Mulholland Drive]. Ele disse, “Conte-me sobre você.” E eu me envolvi na conversa. Eu estava tipo, “Espera, sério? Você quer gastar tempo comigo? Você quer saber coisas sobre mim e como fui criada e tudo mais?” E então consegui o trabalho. Nem precisei fazer audição.

KIDMAN: E então algo aconteceu, certo?

WATTS: Oh, sim, fizemos o piloto, e depois a ABC cancelou porque era muito estranho. Era muito David Lynch. Foram necessários os produtores franceses para virem e dizerem, um ano depois, “Você pode transformá-lo em um longa-metragem?” E ele fez, e isso mudou minha carreira.

Sofía, você disse que trouxe a raiva de Griselda para casa com você. Como isso se manifestou e quais truques vocês aprenderam para deixar personagens e emoções no trabalho?

VERGARA: Eu só fiz Modern Family, realmente, então eu não sabia no que estava me metendo. E quando cheguei, percebi que isso era diferente, e é difícil quando você tem que chorar e matar e estrangular e cheirar cocaína e beber álcool. E eu nunca na vida toquei um cigarro. Nunca. Tive que aprender, e aprender aos 50 anos a fumar e você vai estar em todas as cenas fumando. Ok. Nas primeiras três semanas, eu chegava em casa e não sabia o que estava errado comigo.

O que acontecia?

VERGARA: Eu não conseguia dormir. Decidi tomar Xanax porque tinha que acordar no dia seguinte para ir de novo. Era isso ou eu começava a dormir ou ia morrer. Eu estava falando com Nancy também. Eu dizia, “Nancy, não sei se vou sobreviver a isso.” E ela dizia: “Agora você é uma atriz.”

ANISTON: É tão interessante porque o jeito que ela trabalha é que você está desbloqueando algumas coisas que você maravilhosamente tem empurrado para o fundo do seu corpo.

VERGARA: Sim! E eu venho da Colômbia, tive muitas histórias loucas, é por isso que eu sabia que poderia fazer Griselda, mas essas eram as coisas que minha vida inteira, para manter minha sanidade, [eu enterrei]. Aí vem essa mulher que me diz: “OK, traga isso à tona.” Eu não sei como vocês fazem isso o tempo todo, esses dramas. Comédia é tão mais agradável.

LARSON: Eu concordo.

FOSTER: Eu quase nunca fiz comédias na minha vida.

Você gostaria, Jodie?

FOSTER: Eu gosto delas nas primeiras duas semanas. E depois de duas semanas, eu fico tipo, “Não consigo fazer isso nem mais um minuto.” (Risos.) Acho drama muito mais fácil.

WATTS: Eu também. Fico nervosa achando que vou estragar a piada. “A piada está chegando, oh Deus, oh Deus. Pânico, pânico.”

FOSTER: Para mim, sou genuinamente uma pessoa introvertida, e para manter a energia no set, você precisa ser uma pessoa mais extrovertida. Isso não é natural para mim de jeito nenhum. Então, depois de duas semanas, estou exausta.

Nicole, você uma vez voltou para casa após um dia difícil em Big Little Lies e jogou uma pedra na porta…

KIDMAN: Uau, é verdade! Eu joguei uma pedra porque [a porta] estava trancada e eu não conseguia entrar. Nunca tinha feito isso na minha vida. Obviamente, eu tinha [muita coisa] acumulada. Eu quebrei tudo. Custou uma fortuna. (Risos.) E depois voltei no dia seguinte e disse para o Alexander [Skarsgard] e o Jean-Marc [Vallée]: “Eu joguei uma pedra na janela,” e eles ficaram tipo, “Uau…” Eu disse: “Eu estava meio irritada.” Mas há uma maneira de operar onde o show deve continuar, então você simplesmente continua — você aparece e faz isso, e faz isso, e faz isso. E muitas vezes, são seis meses de dias de 12, 14 horas e realmente não há tempo para dizer, “Preciso cuidar de mim.”

E ainda assim, você continua fazendo os papéis mais sombrios.

KIDMAN: Depois de Expats, eu fui fazer uma comédia porque fiquei maluca com minha própria psicologia. Eu fiquei tipo, “Isso é insalubre.” E é algo que acho que precisamos falar como atores — proteger seu corpo para que você possa viver pelo tempo que você tem nesta terra. Porque é muito difícil para a psique.

VERGARA: O corpo não sabe que o que você está passando [não é real].

KIDMAN: Não sabe. Mas a ideia de poder fazer uma massagem ou um banho quente ou até mesmo um tapinha nas costas, apenas alguém tocando você e dizendo, “Está tudo bem.”

ANISTON: Me emocionei um pouco quando você disse isso.

KIDMAN: Mas o apoio mútuo é tão importante.

Brie, você interpreta uma personagem que os homens inherentemente desconfiam e não gostam simplesmente porque ela é uma mulher. Eu não pude deixar de ver uma correlação com o ódio que você recebeu do mundo dominado por super-heróis masculinos por interpretar a Capitã Marvel. Você também viu isso?

LARSON: Não sei se é específico da Marvel. Só conheço minha experiência, e minha experiência é ser subestimada às vezes.

Você se inspira nisso para um personagem como esse?

LARSON: Claro. Acho que o melhor que consegui encontrar com os personagens que interpreto é que todos eles são eu, é apenas uma mesa de mixagem. É como se você já tivesse assistido a um músico mixando sua música. É tipo, “Ah, é essa alavanca.” E estou mexendo com elas o tempo todo. É uma experiência maravilhosa. Quando você pensa, “Ah, posso atirar uma pedra através de uma janela, não sabia que isso estava em mim.” Essas são algumas das, eu odeio dizer alegrias, porque sinto muito por ter atirado uma pedra através da janela, mas são essas coisas onde você aprende.

WATTS: As descobertas.

LARSON: Sim, e essas são coisas que estão vivendo dentro de você que eu não sei se teriam dado vida de outra forma. E às vezes são realmente bonitas e às vezes são tristes ou assustadoras ou te mantêm acordado à noite, mas sinto que minha vida é enriquecida por todas essas coisas. A parte mais difícil para mim não tem sido me comprometer com os personagens, é sair deles.

Você tem truques?

LARSON: Basicamente, eu não fiz nada tão sombrio quanto “O Quarto de Jack” desde “O Quarto de Jack”, porque levei um ano para sair dele. E foi realmente assustador. Demorei muito tempo para conseguir fazer coisas básicas que costumava curtir na minha vida. Então, sim, você espera ter a graça de um produtor de linha que tenha agendado momentos em que você possa descarregar. Com “Lessons in Chemistry”, eu não tive isso, [e foi mais difícil porque meu] personagem não deixa ninguém ver suas emoções. Eventualmente, eu estava tipo, “Você tem que colocar uma barraca pop-up no set, e é lá que vou chorar.” Porque às vezes parece tão intenso e eu estou tipo, “Não consigo mais fazer isso!” Então, você tem que encontrar maneiras de descarregar. Eu coloquei muitos jogos de tabuleiro no set. Você tem que encontrar o que funciona para você.

VERGARA: (Levanta seu martini) Beber. (Risadas.)

Para todos vocês, quem nesta indústria os ajudou a navegar nas partes mais difíceis ou solitárias desta vida?

WATTS: Quer dizer, Nic definitivamente foi uma força orientadora para mim.

KIDMAN: Você para mim também.

WATTS: Sem querer nos datar, mas é uma amizade de 40 anos…

KIDMAN: E não começou na atuação.

WATTS: Não, começou no bar.

KIDMAN: Podemos parar? (Risadas.)

LARSON: Ao longo dos anos, tenho feito questão de fazer amizade com outras mulheres na indústria porque geralmente só havia uma mulher em um trabalho. Era só eu, e há coisas que me deixam desconfortável ou coisas que eu gostaria de mudar ou rir sobre, e me conectar com outras mulheres tem sido uma mudança de jogo porque você pode trocar histórias.

ANISTON: É tão verdade. E nem mesmo relacionado ao trabalho, mas apenas à vida. (Olha para Kidman) Quando fizemos aquele filme no Havaí [Esposa de Mentirinha, de 2011], você me ajudou em muitas coisas difíceis que eu estava passando. Apenas ter essa comunidade, é muito útil.

WATTS: E nem todos os nossos mentores estão no set. Se eu puder exagerar um pouco, Jodie… Temos apenas alguns anos de diferença, mas sua carreira já estava tão estabelecida há tanto tempo e você mudou minha vida com suas performances. Ainda me lembro de Acusados.

KIDMAN: E você era um bebê naquela época, e você está tão bem ajustada.

WATTS: Como você fez isso?

FOSTER: Bem, melhora, certo? A geração anterior à nossa continuou nos dizendo que as coisas só iriam piorar – vamos chegar aos 40 e acabou. E tenho que dizer, nunca fui tão feliz como atriz quanto quando fiz 60 anos. Há apenas uma espécie de contentamento sobre não ser tudo sobre mim e entrar em um set e dizer, “Como minha experiência ou seja lá qual for minha sabedoria, como pode servir a você?” Trazer isso para a mesa, não só é mais divertido e libertador, mas também é fácil. É super fácil porque você não está cheio de ansiedade sobre as coisas com que talvez as pessoas mais jovens estejam cheias de ansiedade.

WATTS: Eu li que você tinha parado de fazer papéis principais?

FOSTER: Eu apenas me cansei disso. E aprendi tanto com novas vozes – (para Sawai) vendo seu personagem, por exemplo, em Shogun – que finalmente foram dadas a liberdade para se expressar. Eu quero ouvi-los e quero apoiá-los. É muito mais divertido do que ser o número um na lista de chamadas e ter que carregar o fardo da narrativa.

Anna, você já encontrou essas pessoas para guiá-la ou essas seis mulheres aqui estão prestes a ser essas pessoas?

SAWAI: Eu não tive experiência suficiente para dizer “minha jornada” e “essa pessoa me ajudou tanto”. São pequenos conselhos de muitos colegas de elenco e pessoas nos bastidores. Mas na verdade tenho uma pergunta [para Foster] porque agora você conhece tantas mulheres no set, mas crescendo na indústria, como foi para você?

FOSTER: Nunca vi outro rosto feminino além da senhora que interpretou minha mãe e possivelmente na maquiagem ou cabelo, mas nos velhos tempos esses também eram homens.

SAWAI: Então, como você navega nisso?

FOSTER: Eu tive esses irmãos e pais maravilhosos, e sempre sou grata a eles porque me ensinaram as lições dos sets de filmagem. Eles diziam, “Você escreve notas de agradecimento.” Eu sentia que esses irmãos e pais, eles eram uma família. E então, pouco a pouco, à medida que as mulheres entravam nos sets de filmes, era apenas uma coisa fantástica. Haveria mais uma mulher no set e depois duas e talvez três. E isso continuou crescendo – exceto que nunca havia diretoras mulheres.

KIDMAN: Veja, conheci Jane Campion. Não era uma flor de estufa. E todos faziam o que ela dizia, então ela era um ótimo modelo.

FOSTER: Você teve sorte. Mas há essa ideia errônea de que de alguma forma atrizes femininas estão uma contra a outra ou não gostam umas das outras ou algo assim. Mesmo este ano, indo para os vários eventos [para Nyad], sempre parece tão bom porque as mulheres realmente querem que umas às outras tenham sucesso. Tipo, Nicole, eu assumi um filme que você teve que deixar.

KIDMAN: Sim! E obrigada. Eu estava muito mal. Eu estava tipo, “Estou tendo um colapso.” E Jodie assumiu, graças a Deus.

Naomi, nos últimos anos, ouvi você falar tanto sobre suas lutas com a menopausa quanto sobre seus projetos em Hollywood. E você inicialmente se preocupou com o impacto em sua carreira ao fazer isso. Como você decidiu que valia a pena?

WATTS: Comecei tarde, pelos padrões de Hollywood – tinha 31 anos quando “Cidade dos Sonhos” finalmente decolou. Também me disseram: “Vai acabar aos 40, então trabalhe, trabalhe, trabalhe”. E então, quando eu estava à beira de querer começar uma família, tinha 36 anos e me disseram que estava perto da menopausa. Entrei em pânico frenético, muita vergonha e medo. Estou pulando muita coisa, mas consegui ter filhos e depois entrei diretamente na menopausa com sintomas intensos em meus primeiros 40 anos. E eu senti que se eu ousasse mencionar essa palavra, seria rotulada como redundante, acabada, fora de cena. Seria suicídio de carreira trazer isso para a mesa. Mas então eu pensei: “Isso não faz sentido. Somos metade da população. Todo mundo vai passar pela menopausa em algum momento, então por que não deveríamos estar falando sobre isso?”

ANISTON: Mm-hm.

WATTS: Quando você aprende sobre os sintomas e quanto tempo eles podem durar, é como, “Por que não podemos encontrar o apoio?” E não é apenas o apoio fisiológico de que você precisa, é o apoio emocional. Então, eu simplesmente disse: “Foda-se, vamos falar sobre isso.” E em termos de minha carreira, senti que, “Bem, se isso assustar todo mundo, é uma pena, mas espero que na verdade faça o oposto, porque quanto mais longa a vida, mais ricas as histórias”. Não precisamos mais interpretar apenas senhoras rabugentas, velhas e assustadoras.

FOSTER: (Acena com as mãos) Eu vou interpretar todas as senhoras rabugentas e assustadoras. (Risadas.)

ANISTON: Isso volta a “O que sua versão mais jovem teria amado que alguém te preparasse?” Isso teria sido uma informação legal porque você entra nisso meio cegamente. Como se algum alienígena estivesse assumindo seu corpo e não fizesse sentido. Isso afeta você em sua vida e em seu trabalho.

WATTS: Então, para sua geração… (Olha para Sawai e Larson).

VERGARA: Isso vai acontecer com vocês também!

WATTS: Mas vai ficar tudo bem, porque os médicos estão realmente recebendo treinamento agora.

ANISTON: E tudo depende de quando sua mãe passou por isso, o que eu não sabia. E ajuda ter essa informação. OK, vamos parar de falar sobre isso…

LARSON: Eu gosto. É uma mesa redonda diferente agora.

Fonte.

Confira o vídeo abaixo:

Ensaios fotográficos – Photoshoots » 2024 » The Hollywood Reporter

NKBR001.JPG NKBR002.JPG NKBR003.JPG

Na época em que a diretora e showrunner de “Expats”, Lulu Wang, era uma cineasta independente promovendo “The Farewell”, o sucesso de 2019 que ela escreveu e dirigiu, seu agente a procurou. Nicole Kidman queria saber se Wang estava interessado em adaptar “The Expatriates”, Janice Y.K. O romance de Lee sobre três mulheres americanas que vivem em Hong Kong, em uma série para o Prime Video.

Wang recusou educadamente. “Não foi porque eu não queria trabalhar com Nicole ou porque não estava animado – eu adoro o livro”, diz Wang, sentado em um sofá almofadado em uma suíte iluminada pelo sol na cobertura do Hollywood Roosevelt Hotel. Parte do que a fez hesitar foi o aumento tão dramático após o escopo limitado das filmagens de 24 dias de “The Farewell’s” e o orçamento apertado de US$ 3 milhões. Isso envolveria um projeto de estúdio de grande orçamento que exigia filmagens em Hong Kong e Los Angeles.

Depois veio a campanha “faça acontecer” de Kidman. Tudo começou com um jantar, só os dois, no restaurante da cobertura do Soho House, em West Hollywood. “O que você precisa?” Kidman perguntou a ela. Wang disse a Kidman que queria fazer uma série limitada, não contínua. Ela queria trabalhar com sua equipe de “Farewell” – o designer de produção Yong Ok Lee, a diretora de fotografia Anna Franquesa-Solano, o compositor Alex Weston e o parceiro de produção Dani Melia.

Ela queria ser responsável pelo elenco, e não sobrecarregada com atores renomados que um estúdio considerasse que poderiam atrair um público maior. Ela queria que o penúltimo episódio mudasse o foco para a história de Lee sobre americanos ricos no exterior, concentrando-se na vida dos trabalhadores domésticos e deixando seus empregadores ricos ficarem em segundo plano. “Eu simplesmente senti como se estivesse sonhando acordado em voz alta – sem realmente lançar”, diz Wang.

Exceto que Kidman garantiu a Wang que tudo era possível. Ela até ofereceu a Wang alguns conselhos de sua extensa filmografia reunida em quase 38 anos no showbiz. “O que tentei dizer foi: ‘Que diabos? Vamos em frente’”, diz Kidman, que, atrasada, acaba de entrar pelas portas duplas da suíte, seu terninho creme e brilho de estrela de cinema fazendo-a parecer a nova fonte de luz de uma sala lotada. Antes de se posicionar de pernas cruzadas ao lado de Wang, ela tira os saltos agulha, esfrega os pés e depois entra na conversa.

“Quanto mais sucesso você tem, mais assustadoras as coisas se tornam. Portanto, esta tem sido toda a minha carreira – uma coisa do tipo pular e fazer. Se eu pensar demais nas coisas, não farei nada. Eu disse: ‘Seremos mais fortes juntos e chegaremos lá’”, diz Kidman, que junto com sua produtora, a Blossom Films, produziu “Expats” e também estrelou o filme.

Na noite anterior, Kidman ficou emocionado ao receber o prêmio AFI Life Achievement em uma homenagem de gala no Dolby Theatre, em Hollywood. Mas foi esse mesmo trabalho que afetou as emoções de maneira diferente em agosto de 2021, quando a produção de “Expats” começou. A presença dominante de Kidman em um elenco composto principalmente por estreantes, coadjuvantes desconhecidos e atores veteranos desconhecidos dos telespectadores americanos já era considerada. A estratégia de Wang foi usar a potência.

Tiana Gowen, Bodhi del Rosario e Connor James Gilman, que interpretam os filhos da personagem de Kidman, Margaret, nunca estiveram em um set de filmagem ou viajaram para o exterior. “Eles ficaram realmente intimidados por Nicole e eu não queria que essas crianças parecessem intimidadas pela mãe”, diz Wang. No final, Kidman os convidou para passar um tempo de qualidade em sua residência em Hong Kong. “Trouxemos comida e apenas brincamos”, diz Kidman.

“Todo mundo estava descalço na piscina, meu cachorro estava na piscina”, diz Wang sobre Chauncey, sua mistura de poodle que rouba cenas como o animal de estimação da família no apartamento de Margaret na torre de vidro. “[A festa na piscina] foi divertida e deixou todos muito mais confortáveis.”

Mas o jovem ator Ji-young Yoo, que interpreta Mercy, um coreano-americano que vive em Hong Kong, foi propositalmente mantido longe da estrela australiana até pouco antes de sua primeira grande cena em um mercado noturno movimentado com 300 figurantes. Yoo lembra: “Lulu meio que me agarrou e disse, ‘Quer conhecer Nicole?’ e eu disse [com uma voz minúscula e queixosa], ‘Não sei se estou pronto para conhecer Nicole. Mas, sim, eu gostaria de conhecê-la.’” Yoo foi então levado a, entre todas as coisas, uma pequena tenda na rua onde Kidman estava se preparando. “Não sei se esse tipo de coisa é sempre útil”, observa Yoo. “Mas para esta experiência, realmente funcionou.”

Na verdade, a sequência que eles estavam prestes a filmar acontece no segundo episódio de “Expats” e explica uma tragédia crucial na história que só é sugerida no primeiro episódio: Yoo’s Mercy, em posição de ser contratado como Margaret’s babá, está distraidamente enviando mensagens de texto em um mercado ao ar livre congestionado quando perde de vista Gus, o filho mais novo de Margaret. A camada impenetrável de tristeza e culpa que se segue ao desaparecimento de Gus permeia o resto da série, assim como acontece com o livro de Lee.

Em tempos normais, os executivos do Prime poderiam ter sido uma presença paralela em algo tão importante quanto a cena do desaparecimento de Gus. No entanto, devido à pandemia em curso e às rigorosas restrições de Hong Kong, eles não viajaram para o set. “Sempre dizemos que éramos mais indie neste projeto do que ‘The Farewell’”, diz Wang. “Estávamos lá sozinhos. Ninguém do estúdio apareceu, o que foi incrível, mas havia muita pressão de ter que entregar.”

“Mas tudo simplesmente se encaixou”, acrescenta Kidman. “Se houver um enorme controle sobre você, você não será capaz de fazer o que deseja. Você quase tem que abordar um grande projeto como se fosse um filme de estudante.”

Como Hong Kong é uma cidade internacional, pelo menos seis idiomas são falados em “Expatriados”.

“Durante as duas primeiras semanas de produção, acabamos filmando tudo em idioma não inglês”, observa Wang. “Estávamos enviando diários de mulheres falando tagalo e cantonês e pensando: ‘A Amazon vai pirar?’ Tipo, ‘Demos luz verde para este grande projeto de Nicole Kidman…’

“Mas isso foi ótimo sobre Nicole. Ela viu isso desde o início como um conjunto, como uma oportunidade de criar uma plataforma para tantas outras pessoas.”

Embora Wang tenha mantido a essência do enredo original do romance, ela e sua sala de escritoras exclusivamente femininas – que incluía a própria autora – também fizeram alterações. Isso incluiu mudar quando se tratava de alguns personagens brancos do livro, e não apenas para fins de representação. “Fazer uma mudança no elenco contribui para a história”, diz Wang, acrescentando: “Não gosto quando as pessoas dizem, ‘Oh, que corajoso’ ou ‘Que bom que você fez isso.’ por razões morais ou por justiça puramente social. Eu fiz isso porque é mais interessante.”

Brian Tee, que é nipo-americano, foi escalado como o marido de Margaret, Clarke Woo. Wang queria explorar a classe e o colorismo, então outra personagem branca do romance, Hilary Starr, tornou-se de pele escura e do sudeste asiático. “Não precisei ir muito longe”, diz Wang sobre colocar o redator Gursimran Sandhu (“Game of Thrones”) no comando do enredo de Hilary. “Acabei de encontrar alguém que tem muitas histórias para contar e que não consegue contá-las. E… bum.

Isso significava que “Expats” era a realização de um desejo do veterano ator de TV Sarayu Blue, que nunca havia conseguido um personagem tão desenvolvido quanto Hilary, uma mulher sikh americana cujo casamento está se desintegrando ao mesmo tempo em que seu pai abusivo está no leito de morte. . Depois, há a veterana atriz filipina Ruby Ruiz, cuja atuação como a trabalhadora doméstica fofinha e triste de Margaret, Essie, é, em muitos aspectos, o coração pulsante de “Expats”. “Quando você tem um Ruby Ruiz”, diz Kidman, “está dizendo [ao estúdio]: ‘Confie em nós. Deixe isso acontecer. E se você não gostar, você entrará e deixará sua voz clara no final. Mas nos dê uma chance.’”

Embora a maior parte de “Expats” tenha sido filmada em Hong Kong, os opulentos interiores dos apartamentos, onde grande parte do drama emocional se desenrola, foram filmados em um estúdio a cerca de 11.000 quilômetros de distância, em Santa Clarita, Califórnia. portal e você estava de volta a Hong Kong”, diz Yoo sobre a recriação do desenhista de produção Lee, que incluía um enorme cenário panorâmico de um dos bairros mais nobres de Hong Kong, Victoria Peak. “Ele circulou por todo o apartamento e foi equipado com luzes LED para que eles não precisassem usar uma tela verde. Para cenas noturnas, estava iluminado. Eu não acho que o público poderia dizer. Mas para um ator, é muito útil quando [um cenário] parece mais tangível.”

Wang diz que um dos bônus inesperados de “Expats” foi perceber que ela e sua equipe eram pessoas diferentes de quando começaram. “Acho que a ideia de fazer um grande projeto de estúdio [antes] teria sido realmente intimidante”, diz ela. “E agora não é. Agora é como, ‘OK, vemos como isso funciona’. Independentemente do tamanho, da escala, do número de pessoas, ainda podemos fazer o que fazemos e dar a nossa voz a isso.”

O próximo, ela espera, é um filme de ficção científica sem nome. No passado, seria algo que ela teria preocupações em assumir. “Há muita construção de mundo em um projeto de ficção científica”, diz ela. “Mas, na verdade, construímos muito o mundo em ‘Expats’. Quer estivéssemos filmando em um palco ou em locações, ou tivéssemos que criar um tufão por meio de efeitos visuais, tínhamos que tornar tudo perfeito. Transformamos Hong Kong em um personagem. Portanto, agora estamos entusiasmados com a construção do mundo de uma nova maneira.”

Fonte.

Ensaios fotográficos – Photoshoots » 2024 » Los Angeles Times

NKBR001.JPG NKBR002.JPG NKBR003.JPG NKBR005.JPG

As estrelas e a escritora-diretora da série limitada da Prime Video, Expats, sentaram-se no domingo no estúdio Deadline na Prime Experience. Baseada no romance best-seller de Janice Y.K. Lee com o mesmo nome, Expats gira em torno das vidas de um grupo de expatriados em Hong Kong – mais especificamente, é a história de três mulheres de origens diferentes ligadas por um evento trágico, luto, perda e questões familiares complicadas.

Participaram do painel no domingo a estrela/produtora executiva Nicole Kidman, os atores Ji-Young Yoo, Sarayu Blue, Jack Huston e Brian Tee, e a criadora/escritora/diretora/produtora executiva Lulu Wang.

Kidman, que se tornou uma produtora tão prolífica através de sua Blossom Films quanto é uma atriz, também acabou de receber o prestigioso prêmio AFI Lifetime Achievement no fim de semana, algo celebrado por todos os seus colegas de Expats enquanto começamos nossa sessão de estúdio com eles à margem do evento FYC da Amazon. Como produtora, Kidman conhecia exatamente a fórmula que torna uma série cativante.

“Quero dizer, isso foi um trabalho de amor e então quando Lulu entrou, ela disse, ‘Estou pronta, mas a maneira de fazer isso é eu precisar poder controlar tudo e saber exatamente o que terei, a agência e a capacidade para fazer isso.’ E é isso que fazemos como uma empresa de produção, esperamos, é fornecer esse apoio. E então muito disso é apenas isso, e então você escala atores incríveis, e pronto, o trabalho está feito”, disse Kidman, fazendo parecer muito mais fácil do que criar um programa filmado nessa escala em Hong Kong.

Para Kidman, também é um papel altamente emocional, interpretando uma mulher cujo filho pequeno desaparece enquanto está sob os cuidados de uma babá, interpretada por Yoo. Ela disse que foi Wang quem determinou o papel que ela iria desempenhar. “Ela disse, ‘Não, você é Margaret. Você será Margaret.’ E é isso que eu quero dizer quando você entrega o projeto ao diretor e eles o moldam. … E é muito sobre um casamento que está sob pressão mas é um bom casamento e isso foi meio que o cerne para mim em termos de luto, porque muito disso é quando você vê esses casamentos, muitos deles são destruídos, mas este é um casamento que não é destruído.”

Wang, diretora de filmes aclamados como The Farewell, compartilhou exatamente por que ela queria fazer desta propriedade sua estreia na televisão, e especialmente colaborar com Kidman.

“Nicole e eu começamos, e assim que nos conhecemos, você sabe que ela irá se aprofundar, e ela disse, ‘Este é um programa sobre mulheres, é um programa sobre luto, deixe-me falar sobre meu próprio luto, deixe-me falar sobre meu pai,’ e nós simplesmente conversamos, falamos sobre nossas próprias mães, e era um programa feito por mulheres, para mulheres,” disse Wang sobre a experiência da série de seis episódios, uma que ofereceu uma chance para diversidade também. “E é isso, uma oportunidade que eu não poderia recusar para ter esse tipo de liberdade criativa para colocar quem quiséssemos atrás das câmeras, assim como na frente das câmeras, para criar um ecossistema e um processo que fosse realmente saudável para os criativos. Foi por isso que eu disse sim. Além disso, havia o incrível material de origem, o livro de Janice Y.K. Lee, e os temas que vêm do romance.”

“Nicole e eu começamos, e assim que nos conhecemos, você sabe que ela irá se aprofundar, e ela disse, ‘Este é um programa sobre mulheres, é um programa sobre luto, deixe-me falar sobre meu próprio luto, deixe-me falar sobre meu pai,’ e nós simplesmente conversamos, falamos sobre nossas próprias mães, e era um programa feito por mulheres, para mulheres,” disse Wang sobre a experiência da série de seis episódios, uma que ofereceu uma chance para diversidade também. “E é isso, uma oportunidade que eu não poderia recusar para ter esse tipo de liberdade criativa para colocar quem quiséssemos atrás das câmeras, assim como na frente das câmeras, para criar um ecossistema e um processo que fosse realmente saudável para os criativos. Foi por isso que eu disse sim. Além disso, havia o incrível material de origem, o livro de Janice Y.K. Lee, e os temas que vêm do romance.”

Yoo, que interpreta Mercy, e Blue, que interpreta Hilary, explicaram as trajetórias de seus personagens e como elas se tornaram tão interligadas, com todas as complicações. Tee, que interpreta Clark, marido de Margaret, e Huston, que interpreta David, marido de Hilary mas também tendo um caso com Mercy, ambos explicaram a complexidade dos homens-chave nesta história que gira em torno das três mulheres.

Huston, neto do lendário diretor John Huston, já havia trabalhado com Wang em seu primeiro longa-metragem, mas teve um requisito físico particularmente desafiador imposto por sua diretora para Expats. “Essa foi nossa primeira conversa: ‘Há duas condições. Uma é que você precisa ganhar 30 libras. A outra é que você precisa ficar completamente nu.’ Isso é estar nu com 30 (libras extras) no seu corpo, e eu fiquei tipo ‘Bem, só por você, Lulu'”, disse ele, rindo.

Fonte.

A atriz reflete sobre as maiores surpresas de sua carreira antes de receber o prêmio AFI pelo conjunto de sua obra.

Quatro décadas depois de sua estreia no cinema em BMX Bandits, de 1983, Nicole Kidman, duas vezes vencedora do Oscar e duas vezes Emmy, receberá uma homenagem que fará história: o AFI Life Achievement Award, que pela primeira vez em 49 anos será concedido a um artista australiano. Mas Kidman (nascida nos Estados Unidos) considera-se parte do cinema mundial, tendo trabalhado com cineastas renomados como Stanley Kubrick (Eyes Wide Shut), Jane Campion (The Portrait of a Lady), Park Chan-wook (Stoker), Sofia Coppola (The Beguiled), Baz Luhrmann ( Moulin Rouge!) e Jonathan Glazer (Birth). A atriz e produtora reflete sobre como a homenagem representa tanto uma carreira robusta quanto uma vida muito viajada.

Você recebeu muitos prêmios ao longo de sua carreira. O que há de tão especial nesta homenagem?

A lista de homenageados que vieram antes de mim. Na verdade, estou chocada porque há tão poucos e não há australianos. Fiquei impressionada com isso.

Você se sente engraçada tendo que assistir a clipes do seu trabalho ao longo dos anos?

Não sou alguém que olha para trás. Estou sempre ansiosa. Isso me forçou a olhar para trás, o que foi adorável. O que é realmente aparente para mim é que viajei pelo mundo porque trabalhei com diretores de praticamente todos os países. Viajei para muitos lugares diferentes ao redor do mundo fazendo filmes e trabalhei com um grande número de autores – gregos, coreanos, ingleses, australianos, americanos, dinamarqueses. Ser homenageada pelo American Film Institute é uma grande honra para mim porque nasci na América; Tenho pais australianos, por isso tenho dupla cidadania. Sempre senti que viria para a América e faria filmes em Hollywood. Mas o que eu realmente queria era fazer filmes em todos os lugares. Eu queria ver o mundo.

Tendo trabalhado com tantos cineastas, o que você acha que constitui um bom colaborador?

Paixão. Você não chegará a lugar nenhum sem uma paixão desenfreada e, provavelmente, uma obsessão. (Risos) Você precisa de muita vontade para conseguir fazer qualquer filme. Muitas vezes é contra todas as probabilidades. E, trabalhei em todos os formatos em termos de orçamento cada vez mais baixo e orçamento enorme, o que eu também queria fazer. Adoro poder colocar o pé em todos esses mundos.

Existe algum filme de Nicole Kidman que, se você assistisse na TV, não desligaria?

Isso é para outras pessoas responderem. Você o coloca no mundo, e onde ele pousa é onde ele pousa – quem ele encontra [é quem] deveria encontrar. Isso não é da minha conta, e é melhor que não seja, porque não estou fazendo isso para mim. Estou fazendo isso para compartilhar, contribuir ou fazer parte do mundo. Esperamos que os pequenos encontrem o seu lugar e os grandes encontrem o seu lugar. E os supostos fracassos às vezes têm uma segunda ou terceira vida.

Existe algum projeto que te surpreendeu pela forma como o público se conectou com ele?

Sempre há surpresas. Pessoas me procuram sobre todos os filmes diferentes, e as coisas que alcançam o maior número de pessoas não são necessariamente aquelas que obtêm a resposta mais apaixonada das pessoas. Obviamente houve grandes sucessos, e você diz: “Bem, funcionou!” Mas são eles que encontram o caminho até as pessoas. Fico surpreso que as pessoas saibam quem eu sou, (Who do not know?). Minhas filhas me dizem: “Nossa, você não pode ir a lugar nenhum onde não seja conhecida”. É sempre isso que me surpreende.

Seus filmes abrangem uma ampla gama – você trabalhou em vários gêneros e transitou facilmente entre projetos convencionais e filmes experimentais como Dogville…

Fiz Dogville depois de Moulin Rouge! Passei de extremos luxuosos para… (Risos). Eu vim de lantejoulas e trapézios, cartolas, centenas de pessoas cantando e dançando. E de repente eu estava na Suécia para Dogville, completamente no escuro. Mas aí fui para a Espanha e fiz The Others com Alejandro Amenábar, que não falava inglês. Até trabalhei aqui em Nashville em Stoker com o diretor Park Chan-wook, que também não fala inglês. Anseio por esses extremos, por essas emoções. Eu definitivamente tive uma vida extrema!

Fonte.

No dia 27 de abril a atriz Nicole Kidman irá receber a maior honra do cinema americano, o AFI LIFE ACHIEVEMENT.
Todos nós, fãs da atriz, estamos imensamente felizes por essa homenagem dedicada a ela. Nicole nos presenteia há 40 anos com seu talento, carisma, alegria e amor por sua arte.

Nós, da equipe Nicole Kidman Brasil, preparamos ao longo desses últimos dias, uma pequena porém linda surpresa dedicada a ela em nome de todos os fãs do Brasil.

No dia 25 de abril de 2024, uma linda homenagem dos fãs foi colocada na Times Square em reconhecimento ao prêmio e em gratidão por toda sua entrega ao cinema. Tudo foi planejado e pensado com muito amor, para que ela se sinta extremamente especial e para que os fãs se sintam parte desse capítulo tão lindo da vida da Nicole.

Te amamos Nicole, você é nossa maior estrela!

Confira o vídeo da homenagem abaixo:

Nas suas próprias palavras e fotografada pela sua filha Sunday Rose, Nicole Kidman reflete sobre os seus papéis icônicos, enquanto se prepara para ser a primeira australiana a receber um prestigiado prêmio de Hollywood.

Antes de fazer história como a primeira australiana a receber um prêmio de prestígio nos EUA, Nicole Kidman falou sobre seu choque com a homenagem.

Refletindo sobre sua carreira de 40 anos, Kidman deu um passeio pela estrada da memória com a Stellar enquanto compartilhava uma bela e íntima fotografia tirada em casa por sua filha, Sunday Rose Kidman-Urban.

Sobre o Life Achievement Award do American Film Institute, Kidman disse: “Receber este prêmio me enche de uma gratidão imensa”, disse Kidman ao Stellar. “Ser a primeira australiana a ser homenageada desta forma me deixa sem palavras.”

“Ser vista na companhia de grandes nomes como Lillian Gish, Bette Davis, Meryl Streep ou Barbra Streisand está além dos meus sonhos mais loucos. Eu cresci como uma garota suburbana de Sydney que só queria atuar; ter construído uma carreira fazendo o que amo é uma bênção que vai além dos meus sonhos. Agradeço à AFI por esta honra incrível.”

DEAD CALM

Aos 22 anos, Kidman entrou no radar de Hollywood com sua atuação no thriller psicológico de 1989 do diretor australiano Phillip Noyce – que foi filmado nas Whitsundays – sobre Rae Ingram, uma mulher que, junto com seu marido (interpretado por Sam Neill), acaba presa em um iate e aterrorizada por um vagabundo desequilibrado interpretado por Billy Zane.

“Dead Calm was my first major film,” Kidman à Stellar. “Serei eternamente grata a Phillip [e aos produtores] Terry Hayes e George Miller por me darem a chance de estrelar um filme australiano que seria feito para o mundo.”

“É uma das minhas grandes lembranças do cinema. Filmamos no oceano durante meses a fio. Foi um compromisso com C maiúsculo. Aprendi muito com Phillip, Terry e George; Estou profundamente grata por eles acreditarem em mim.”

TO DIE FOR

A sátira sombria de Gus Van Sant tem desfrutado de uma redescoberta constante desde seu lançamento em 1995, tanto pelo quão presciente foi em termos de para onde a cultura estava indo em meados dos anos 90, quanto por algumas das roupas que Kidman usa no filme, que desfrutaram de uma recente reavaliação nas redes sociais.

Kidman interpreta Suzanne Stone-Maretto, uma aspirante a jornalista que fará de tudo para se tornar famosa e que embarca em um caso com um delinquente apaixonado (interpretado por Joaquin Phoenix), o corteja com promessas vazias e uma dança sedutora na chuva e, finalmente, o convence a assassinar o marido dela (Matt Dillon).

“To Die For estava à frente de seu tempo no tom e no que dizia sobre o mundo”, diz Kidman.

“A direção de Gus e as palavras do [roteirista] Buck Henry… brilhantes! Jamais esquecerei aquela cena na frente do carro com Joaquin. Nós descobrimos isso na hora.”

THE PORTRAIT OF A LADY

A adaptação cinematográfica de 1996 do romance de Henry James viu Kidman assumir o papel de Isabel Archer, contracenando com John Malkovich e trabalhando com a diretora Jane Campion. Nos anos seguintes, Kidman honrou o compromisso de trabalhar de forma consistente com diretoras e ampliar o trabalho das mulheres em todos os aspectos da indústria – tanto na tela quanto fora dela. Ela novamente colaborou com Campion em Top Of The Lake: China Girl.

“Faço uma reverência a Jane, que é um gênio e também uma das minhas melhores amigas”, diz Kidman. “Quase fizemos um curta juntas quando eu estava na escola de cinema, então essa colaboração demorou muito para chegar. Ninguém pensa como Jane – a melhor pensadora lateral. Eu faria qualquer coisa que ela pedisse.”

EYES WIDE SHUT

Kidman era fã de longa data do lendário diretor Stanley Kubrick – tendo se apaixonado por seu trabalho quando era adolescente, crescendo em Sydney – quando embarcou nas filmagens de seu último filme em Londres, um mistério erótico em que ela estrelou com o então marido Tom Cruise. As filmagens de De Olhos Bem Fechados, lançado em 1999, levaram 400 dias para serem concluídas – um recorde mundial do Guinness que permanece até hoje.

“Muito do que sei sobre cinema e filosofia surgiu de longas conversas com Stanley”, lembra Kidman. “Eu sentava no escritório dele e conversávamos por horas. Ele sabia tudo e era o mais sábio dos professores. Sinto falta e penso nele todos os dias.”

MOULIN ROUGE!

O espetáculo musical cinematográfico de 2001 de Baz Luhrmann foi filmado em Sydney e contou com figurinos e design de produção vencedores do Oscar da esposa e colaboradora criativa de Luhrmann, Catherine Martin. O filme rendeu a Kidman sua primeira indicação ao Oscar por interpretar Satine, a estrela e cortesã do marco titular de Paris.

“Baz e CM… paixão, visão e crença. Moulin Rouge! capturou tudo. O maior cinema com tanta visão por trás dele. Nós nos unimos para sempre e conto Baz e CM entre meus amigos mais próximos. Você está sentindo um tema aqui. Ninguém havia feito nada parecido antes. Verdadeiramente visionário.”

THE HOURS

Kidman ganhou o Oscar de Melhor Atriz por sua interpretação como Virginia Woolf na adaptação de 2002 do diretor Stephen Daldry do romance best-seller, um tríptico de histórias que também estrelou Meryl Streep e Julianne Moore.

“As Horas veio de uma escrita e direção brilhantes e foi um momento muito particular na vida para mim”, diz Kidman. “Acho que canalizei Virginia de uma forma que estava muito alinhada com o meu universo na época. Stephen sabia exatamente o que fazer comigo, mas a experiência de interpretar esse papel e a atenção que se seguiu são um pouco confusas – tudo parecia ter acontecido.”

LION

Após seu lançamento em 2016, Lion se tornou o sexto filme australiano mais popular de todos os tempos e viu Kidman ser indicada como Melhor Atriz Coadjuvante no Oscar de 2017.

“É muito raro que atores australianos sejam indicados para interpretar australianos, então isso foi realmente especial. Para então estar em um filme australiano que faz tanto sucesso e depois em um mundo indicado ao palco nesse aspecto – e com meu sotaque australiano – foi muito, muito bom.”

BOMBSHELL

Kidman trabalhou com Charlize Theron e a atriz australiana Margot Robbie neste filme de 2019 sobre as mulheres que acusaram o ex-CEO da Fox News, Roger Ailes, de assédio sexual.

“Fiz este filme para mostrar o poder das mulheres e para trabalhar com Charlize e Margot, que respeito e adoro muito”, diz Kidman. “Eu adoraria trabalhar com esses duas novamente.”

NINE PERFECT STRANGERS

Kidman reuniu um elenco de estrelas para a primeira temporada desta série de 2021, na qual ela interpreta uma misteriosa guru em um retiro de bem-estar. Organizar as filmagens em Byron Bay em meio à pandemia de Covid sob rígidas diretrizes de quarentena foi particularmente exigente para Kidman, que estrelou e trabalhou como produtora na série criada por David E Kelley baseada em um romance da autora australiana Liane Moriarty .

“Nine Perfect Strangers foi, eu acho, a primeira grande produção do mundo durante a Covid”, diz Kidman. “Trabalhamos com nossos parceiros de estúdio para realmente escrever os protocolos da pandemia. Nada disso havia sido feito antes. Estávamos trabalhando diretamente com epidemiologistas e líderes governamentais. Produzindo com P maiúsculo.”

“Mudamos nossa produção para a Austrália, onde Liane realmente contou a história, nunca teve um caso de Covid e manteve centenas de pessoas empregadas e seguras durante alguns dos meses mais difíceis da pandemia. Estou extremamente orgulhosa deste show e do que conquistamos juntos. Agora, estamos filmando uma segunda temporada com muitas das mesmas pessoas.”, diz Kidman.

Fonte.