Bem-vindos ao Nicole Kidman Brasil, a sua maior e melhor fonte de informações da atriz Nicole Kidman no Brasil. Temos o intuito de levar informações sobre a carreira da atriz para fãs e admiradores, não temos fins lucrativos, somos um site não-oficial e não possuímos qualquer vínculo com Kidman, sua família e equipe. Esperamos que gostem!

A atriz vencedora do Oscar, Nicole Kidman, mergulha de cabeça no papel da gigante da comédia Lucille Ball em Being the Ricardos, agora disponível no Amazon Prime Video. Confira a tradução na íntegra:

No folclore japonês, eles a chamam de kitsune. Na cultura irlandesa e escocesa, eles a chamam de selkies. Nas histórias de fantasia, elas são chamadas de changelings ou metamorfos. E em Hollywood, nós as chamamos de as melhores atrizes de sua geração. Essas criaturas míticas e mágicas se encaixam tão perfeitamente em seus papéis que são quase irreconhecíveis de um projeto para o outro. Não há muitos delas – apenas algumas, na verdade. Uma das mais raras de todas é Nicole Kidman.

Somente nos últimos anos, Kidman, agora com 54 anos, ampliou seu currículo de uma maneira quase incomparável, realizando com sucesso várias das coisas que as pessoas na indústria do entretenimento chamam de “grandes mudanças”. Ela se metamorfoseou de uma policial disfarçada traumatizada em Destroyer para uma corista de pernas compridas e aspirante a Fosse em The Prom, a jornalista de transmissão da vida real Gretchen Carlson em Bombshell, uma elegante psiquiatra do Upper East Side com uma extensa coleção de casacos longos na série da HBO. The Undoing, e a terapeuta inescrutável e sedutora Masha Dmitrichenko na série limitada do Hulu Nine Perfect Strangers.

Sem surpresa, Kidman muda de forma novamente neste inverno como a grande atriz cômica Lucille Ball em Being the Ricardos, da Amazon Prime Video, escrito e dirigido por Aaron Sorkin. O filme segue Ball e seu marido, Desi Arnaz (Javier Bardem), durante uma semana agitada enquanto trabalham para salvar seu casamento, filmando um episódio de I Love Lucy e tentando superar os rumores de que Ball é comunista. Sorkin diz que a lista de atrizes discutidas para interpretar Ball não era longa. “Mas uma vez que Nicole Kidman diz que quer fazer seu filme, sua busca por elenco acabou”, explica ele. Ele acrescenta que por causa da pandemia e pelo fato de Kidman estar na Austrália e Bardem na Espanha, eles não puderam fazer os testes de química habituais antes de se comprometerem com a dupla. “Mas em nosso primeiro dia, nós os filmamos andando até o palco para a leitura da mesa. Você podia ver desde a primeira tomada que eles iriam se divertir juntos.”

Só subiu a partir daí. “Nicole fazia algo em quase todas as cenas que me impressionava”, lembra Sorkin. De sua parte, Kidman está “muito aliviada” pelos aplausos e prêmios que sua performance como Ball (que morreu em 1989 aos 77 anos) vem recebendo. “Eu estava tão assustada”, ela admite, ligando da casa que divide com o marido, o músico Keith Urban, e suas duas filhas em Nashville.

Kidman conhece Sorkin há anos, pelo menos desde que ela viu sua peça A Few Good Men na Broadway. Sorkin lhe enviou o roteiro de Ricardos e disse que ela era perfeita para o papel e que ele encontraria um “ótimo Desi”. “Quando Aaron Sorkin diz isso para você, você ouve”, diz Kidman. Mas as dúvidas se infiltraram, assim como a notícia de que as pessoas na internet não queriam que ela desempenhasse o papel icônico. “Pensei: ‘Oh, meu Deus, não sou a pessoa certa. Talvez eu não tenha pensado nisso. E então era tarde demais para sair disso.”

Kidman reconhece que esse processo – mergulhar de cabeça em um projeto e depois ter uma ansiedade debilitante sobre ele – é “parte da minha trajetória. fico apavorada. Aconteceu em Os Outros”, filme de terror de grande sucesso de 2001, e aconteceu no ano seguinte com o papel de Virginia Woolf em As Horas, que lhe rendeu um Oscar. Quando se trata de suas “grandes oscilações”, Kidman admite que “há muita tomada de decisão inconsciente” em jogo. “Tenho uma vida doméstica muito estável, então posso sair e sempre voltar aqui.”

“Também faz parte de envelhecer e apenas olhar para a vida”, acrescenta ela. “Há um consenso na indústria de que, como atriz, com cerca de 40 anos, você está pronta. Eu nunca me sentei em uma cadeira e ouvi alguém dizer: ‘Você já passou da data de vencimento’, mas já houve momentos em que você foi rejeitado e a porta foi fechada para você. Está definitivamente mudando e se movendo, mas é disso que se trata o Being the Ricardos.” Depois de ser recusada por seus papéis de longa-metragem dos sonhos, Ball decidiu experimentar e fazer uma comédia. O primeiro episódio de I Love Lucy foi ao ar em outubro de 1951. Sabemos como essa história termina: 70 anos depois, Nicole Kidman a interpreta em um filme. Como um paralelo interessante, parece que Kidman também encontrou fama ainda maior ao fazer televisão de formato longo; Big Little Lies e The Undoing foram grandes sucessos.

Como atriz, diz Kidman, “você precisa ter uma pele grossa”. Quando ela estava se preparando para The Hours, ela se lembra de tentar imitar a voz de Virginia Woolf para o diretor Stephen Daldry. “Foi absolutamente terrível”, lembra Kidman. “Ele disse: ‘Eu não quero isso. Você não vai fazer isso.” Os diretores dizem “não”, se forem sinceros.” Em De Olhos Bem Fechados, ela acrescenta, Stanley Kubrick perguntava: “O que foi isso?” “De novo e de novo.”

“Eu escolho cuidadosamente os diretores com quem trabalho”, diz Kidman. “Não é para ser legal. É sobre [decidir] que eu quero ser a embarcação e que estou aqui para ajudar. O que eu posso fazer?” Para Sorkin, isso significava que Kidman precisava encontrar a voz de Lucy. “No começo, eu disse a Tom Jones, meu treinador de diálogo: ‘Isso é impossível. Eu sou australiana. Como vou conseguir isso?” Ele disse: “Vamos chegar lá.” Eles decidiram que Lucy precisava ter uma “voz profunda de fumante, então comecei a fumar. Se eu me aquecer por um minuto, agora posso fazer a voz dela ficar na minha cabeça.”

Não que ela tenha tentado ficar de cabeça para baixo e fazer a voz ainda, mas parece o tipo de situação cômica em que Kidman como Lucy pode se encontrar. Comédia, você vê, é difícil. “É muito difícil. Eu nunca entendi o quão difícil era. Você olha para Julia Louis-Dreyfus. Você olha para Mary Tyler Moore. Eles são ousados. Eles estão dispostos a não ouvir uma risada.” Para surpresa de Kidman, sua filha Sunday Rose quer ser diretora. “Através de nada que eu fiz, no entanto. Ela aprendeu a editar, e se eu me oferecer para estar em um de seus filmes, a sensação é que não estou chegando perto deles.” Recentemente, Kidman diz que sua filha dirigiu uma produção de Annie no palco. “Tudo o que eu queria fazer era gritar e gritar”, explica Kidman. “Mas eu sou mantido em uma chave e cadeado apertados. Eu só quero dizer: ‘Você é incrível’, mas não tenho permissão para gritar pela janela do carro ou até mesmo elogiar muito.”

Kidman compara ser mãe à uma piscina: “Como mãe, você é a parede. Eles querem se agarrar à você e saber que você está lá, e quando eles começarem, eles querem saber que você está lá também.”

Por enquanto, é onde ela está presa. Kidman, que diz que lê muitos livros sobre pais e psicologia e no momento da nossa conversa estava na metade da biografia publicada recentemente de Mike Nichols, ficaria animada em fazer mais teatro. Já se passaram quase 25 anos desde que ela esteve no The Blue Room na Broadway e seis anos desde que ela se apresentou no West End na Photograph 51. “Eu quase tive um ataque cardíaco fazendo aquela peça”, diz ela sobre a Photograph 51, na qual ela estrelou como a pesquisadora de DNA e química Rosalind Franklin. “O medo do palco fica mais intenso à medida que você envelhece. Todo mundo disse que seria menos assustador. Isso não aconteceu.”

Mas ela gosta muito de seu tempo em Nashville com suas filhas. “Eu tenho esse desejo enorme de estar lá para eles. Não quero perder a hora de dormir deles. Essa hora de dormir é tão profundamente importante para mim. Nós falamos. Tentamos ter alguma consistência. A maior consistência é ‘estou aqui e te amo e isso nunca vai mudar’. É um equilíbrio constante.”

Photoshoots > 2021 > Dujour Magazine

NKBR502.jpgNKBR512.jpgNKBR510.jpgNKBR507.jpg

Tradução: NKBR | Fonte.

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Nicole Kidman Brasil © 2022