Bem-vindos ao Nicole Kidman Brasil, a sua maior e melhor fonte de informações da atriz Nicole Kidman no Brasil. Temos o intuito de levar informações sobre a carreira da atriz para fãs e admiradores, não temos fins lucrativos, somos um site não-oficial e não possuímos qualquer vínculo com Kidman, sua família e equipe. Esperamos que gostem!

Os vencedores do Oscar tinham poucas noções do que estavam se metendo quando concordaram em interpretar o casal de comédia mais icônico da América no novo filme de Aaron Sorkin: “Oh, merda, o que fizemos?” “Fazer as pessoas chorarem, mas fazer as pessoas rirem é… requintado”, diz Nicole Kidman, que foi fotografada com Javier Bardem em 4 de dezembro no Milk Studios em Los Angeles.

Um mês antes de começarem a filmar Being the Ricardos, um filme sobre o casamento turbulento e cheio de talentos de Lucille Ball e Desi Arnaz, Nicole Kidman e Javier Bardem tentavam desesperadamente sair do show. Tendo crescido fora dos EUA – ela na Austrália e ele na Espanha – nenhum dos atores estava ciente da base de fãs fervorosos de I Love Lucy quando eles assinaram seus papéis no filme de Aaron Sorkin. Assim que a notícia de seu elenco foi divulgada, alguns desses fãs zombaram das escolhas nas mídias sociais, dizendo que Kidman não se parecia o suficiente com Ball nem possuía suas habilidades de comédia; outros expressaram preocupação de que Bardem não é cubano como Arnaz era e disseram que o papel deveria ir para um ator da América Latina. Em fevereiro deste ano – confrontados com a tarefa à frente deles de dominar os complexos traços de caráter da vida real do casal, bem como os de seus amados personagens de comédia, Lucy e Ricky Ricardo, tudo a tempo de filmar o filme em Los Angeles em um mês no meio da pandemia – eles entraram em pânico.

“Merda, o que nós fizemos?” diz Kidman. “Me assustei.”

A princípio, Kidman e Bardem enviaram seus agentes para tirá-los do filme. “Eu fiquei tipo, ‘Oh meu Deus, essa coisa toda está desmoronando’”, diz o produtor Todd Black, que convenceu seus representantes a não deixar seus clientes pularem. Em seguida, os atores agendaram uma reunião no Zoom com Sorkin e imploraram para que ele adiasse o filme por um ano. Sorkin investigou o atraso na produção de US$ 40 milhões, mas seu distribuidor, Amazon, ansioso para atender a um apetite voraz por conteúdo durante a pandemia, queria que o filme avançasse o mais rápido possível e sincronizasse novamente os calendários lotados de seus leads sob demanda. abaixo da linha seria assustador. Dentro de um dia, Sorkin voltou para seus atores com a notícia de que o filme realmente começaria a ser filmado em 29 de março. “‘Ah não. Na verdade, temos que fazer isso’”, lembra Kidman. Agora é um sábado no início de dezembro, algumas noites antes da estreia de Being the Ricardos em Los Angeles, e Bardem e Kidman estão em um sofá em um estúdio a poucos passos de onde o casal que eles interpretam fez história no entretenimento. Do outro lado do Cahuenga Boulevard está o prédio de tijolos cinza (agora de propriedade da Red Studios) onde a maioria dos 180 episódios de I Love Lucy foi produzida. O lote também já abrigou a Desilu Productions, estúdio de televisão pioneiro de Ball e Arnaz, a certa altura a maior produtora independente do setor, que desenvolveu séries populares dos anos 1960 como Mission: Impossible, Mannix e Star Trek.

Apesar de seus medos, Kidman, 54, e Bardem, 52, cada um vencedor do Oscar e indicado várias vezes, apresentaram performances que desafiaram as expectativas, adicionaram nuances e cores à popular imagem em preto e branco de Ball e Arnaz como sitcom. queridos, e colocou o filme diretamente na conversa do Oscar deste ano. Being the Ricardos será transmitido no Amazon Prime a partir de 21 de dezembro, após um modesto lançamento nos cinemas que começou em 10 de dezembro; A Amazon não está relatando as receitas do filme, mas uma fonte próxima às redes de cinema estima que ele faturou US$ 450.000 em 400 locais em seu primeiro fim de semana. O filme se passa durante uma semana de produção em I Love Lucy, entre a leitura da mesa de segunda-feira e a gravação da audiência de sexta-feira, mas conta a história da maneira surpreendente como dois estranhos casados, uma mulher branca da classe trabalhadora e um imigrante cubano-americano, efetivamente inventou o seriado. Como escritor, Sorkin gosta de comprimir o tempo, e seu roteiro condensa em uma semana três crises que o casal enfrentou durante a década de 1950 – quando o colunista de fofocas Walter Winchell acusou Ball de ser comunista, quando eles brigaram com a CBS e a patrocinadora Philip Morris por permitir que Lucy Ricardo estar grávida no programa, como Ball estava na vida real, e quando um tabloide publicou fotos de Arnaz com outra mulher. No filme, o casal cria e treina com seus colaboradores, William Frawley (JK Simmons), que interpretou Fred em I Love Lucy, Vivian Vance (Nina Arianda), que interpretou Ethel, o escritor principal Jess Oppenheimer (Tony Hale) e os escritores Madelyn. Pugh (Alia Shawkat) e Bob Carroll Jr. (Jake Lacy).

Ser os Ricardos tem cerca de 25 anos de formação. Em 1995, bem após a morte do casal (Arnaz morreu em 1986 e Ball em 1989), Black, que havia produzido alguns filmes para TV e estava se estabelecendo em Hollywood, procurou a família pela primeira vez para perguntar sobre os direitos de um filme. sobre o casamento. “Eles são um casal verdadeiramente icônico com um grande programa de TV de sucesso”, diz Black. “E não há como você não dizer: ‘Uau, como isso funcionou quando as câmeras não estavam rodando? Quando eles estavam brigando e tinham que fazer o show?’ Não há como não ter um filme nele.” Na época, os filhos do casal, Lucie e Desi Arnaz Jr., não estavam prontos para ver uma lente voltada para seus pais, Black foi informado. Quase 20 anos depois, em 2015, Black tentou novamente, desta vez com Jenna Block – então vice-presidente de cinema e televisão na produtora de Black, Escape Artists, que havia escrito sua tese de conclusão de curso no Wellesley College sobre Ball – e com grandes filmes baseados em fatos como The Pursuit of Happyness e Antwone Fisher em seu currículo. Na época, Lucie Arnaz tinha acabado de fazer um documentário sobre seus pais, Lucy e Desi: A Home Movie, que se mostrou catártico. Quando Arnaz conheceu os produtores no comissário do lote da Sony com seu empresário, David Williams, “ela estava pronta para se abrir para essa ideia”, diz Block, que agora é agente de cinema na Verve e tem um produtor executivo. crédito no filme. “Foi sorte, timing, conhecimento e paixão.” A família assinou, e ambos os filhos têm créditos de produção executiva no filme.

Os produtores se voltaram para sua próxima missão, pesquisando a história e convencendo Sorkin, a quem eles achavam que tinha a sensibilidade certa, para assumir o projeto, inundando-o com livros, artigos e vídeos que Block havia compilado. “Eu era um fã passageiro de I Love Lucy”, diz Sorkin. “Da mesma forma que foi difícil estar vivo neste país e não ter nenhum contato com I Love Lucy.” O processo de Sorkin antes de se inscrever em um projeto normalmente é circulá-lo por meses. “Como um jogador de beisebol que está procurando seu arremesso para acertar, estou procurando: ‘Tenho chance de escrever um bom roteiro aqui? Isso é possível?’”, diz ele. Sobre o que o roteirista-diretor chama de “namoro” de 18 meses, Sorkin e Black se encontraram várias vezes, e o produtor desenrolou uma história diferente sobre o casal em cada reunião. “A primeira que ele me contou foi que Lucy foi acusada de ser comunista, o que eu não sabia”, diz Sorkin. “Quanto mais eu lia sobre eles, quem eles realmente eram e como era o relacionamento deles… parecia que havia cenas que eu queria escrever.” Em agosto de 2017, o então chefe de filmes da Amazon, Ted Hope, comprou o filme com base em uma proposta e no envolvimento de Sorkin e Cate Blanchett (Blanchett mais tarde desistiria por diferenças criativas). Sorkin deixou de ser apenas o roteirista do filme para seu roteirista-diretor depois que Black viu um corte inicial de seu filme de 2020 The Trial of the Chicago 7, que ganharia seis indicações ao Oscar, incluindo melhor filme e melhor roteiro original.

Ao escalar o casal, Sorkin estava menos interessado em encontrar fac-símiles perfeitos dos eus da sitcom de Ball e Arnaz do que em encontrar atores que pudessem carregar as complicadas batidas emocionais do filme. “Esses papéis são como o ator Fear Factor”, diz Hale, que interpreta Oppenheimer, escritor de I Love Lucy. “Você está lidando com esses personagens icônicos onde todo mundo sabe sobre sua aparência, sua voz. O medo é sempre ser capaz de corresponder a essas expectativas.”

A Bola do filme – ao mesmo tempo uma empresária arrogante e arrogante e uma esposa insegura e melancólica tentando criar uma vida doméstica que pudesse corresponder à felicidade doméstica que ela e Arnaz retratavam na tela – pode não ser familiar para o público que conhece Ball melhor como um idiota. Lucia Ricardo.

“Todo mundo conhece Lucy”, diz Kidman. “Ela se tornou parte de nossa história como comediante. Da mesma forma que há Abbott e Costello, há Lucille Ball. Você tem uma noção daquela palhaça feminina. Mas, como muitos comediantes, eles não são pessoas engraçadas. Eles trabalham em ser engraçados… Essas pessoas trabalharam tanto para fazer algo engraçado para que todos nós pudéssemos rir. Eles realmente sangraram por isso. Eles deram suas almas para nos fazer rir.”

O que Ball realmente queria de Hollywood era algo que Kidman tinha há muito tempo, para ser levado a sério como atriz dramática. “Ela queria ser uma estrela de cinema”, diz Kidman. “Ela nunca chegou a ser isso, e isso é meio de partir o coração. Mas seus fracassos acabaram sendo seus sucessos, que é algo com o qual me identifico.” Embora Kidman tenha estourado em uma comédia de humor negro, To Die For, de Gus Van Sant, em 1995, na qual ela interpreta uma apresentadora assassina, ela é mais conhecida por seu trabalho em filmes pesados ​​como The Hours, pelo qual ela ganhou um Oscar por interpretar Virginia. Woolf e Big Little Lies, da HBO, que lhe rendeu um Emmy por sua atuação como vítima de abuso conjugal. Interpretar um comediante pioneiro, diz Kidman, era atraente e novo. “Sim, há fazer as pessoas chorarem, mas fazer as pessoas rirem é uma espécie de requintado”, diz Kidman. “Quando comecei a fazer toda a comédia física e a fazer a voz dela, quando finalmente veio, foi tipo, ‘Ah’ E então eu não queria parar de fazer isso. Trabalho neste ramo desde os 14 anos. Esta é a primeira vez.”

Ao escalar Arnaz, Bardem também não foi o primeiro ator a receber o papel. Os produtores inicialmente abordaram um ator brasileiro, mas como sua língua nativa era o português e o espanhol de Arnaz, o departamento de elenco da Amazon rejeitou a escolha; os produtores seguintes abordaram um ator americano guatemalteco, que não estava disponível. “Desi seria complicado porque temos que amar Desi no filme, mesmo que ele parta o coração de Lucy”, diz Sorkin. “Ele não pode ser um fantoche.” Bardem perseguiu o papel, diz ele, por causa do otimismo e energia de Arnaz. “Você não pode evitar se apaixonar loucamente por ele”, diz Bardem. “Ser entretido por ele, ser hipnotizado por ele, sua fisicalidade, seu humor, suas habilidades, sua música. É tipo, ufa. Ele tem o mundo em uma mão, bum.”

Ao fazer seu discurso para Sorkin sobre o Zoom, Bardem “mentiu durante a primeira reunião”, diz Sorkin. “Eu perguntei a ele: ‘Ei, escute, não é um problema, mas apenas por curiosidade, você já segurou uma guitarra?’ E ele disse: ‘Eu toco guitarra desde os 5 anos de idade. “E você já tocou tambor?” “Sou um especialista em percussão, principalmente com congas.” “Se eu perguntasse à sua esposa, se você é um bom dançarino, o que ela diria?” “Rapaz, não é? Eu amo rumba! Eu posso dar uma aula de rumba. Ele estava mentindo sobre tudo isso, mas ele passou os próximos três meses antes do início da fotografia estudando isso. No momento em que ele apareceu no set, ele era bom em tudo isso.”

Bardem treinou na conga com o percussionista Walfredo Reyes Jr. de Chicago e Santana, em um ponto tocando bateria tão vigorosamente que ele cortou a mão e teve que colocá-la no gelo entre as tomadas. “Ele dançava antes da maioria das tomadas”, diz Kidman. “Eu andava de um lado para o outro e fumava, e ele dançava.” (Ao recriar a era, um total de 3.000 cigarros de ervas atóxicas foram consumidos nas filmagens, alguns até “fumados” por uma máquina, para gerar cinzas para os cinzeiros.)

Como Arnaz, Bardem chegou à Hollywood como um ator de língua espanhola esperando que seu sotaque e sua formação não o definissem. “É a energia de alguém que deve pertencer”, diz Bardem. “E faça todo mundo entender que só porque ele é estrangeiro, ele não precisa ser colocado em uma caixa.” Bardem tem tido um enorme sucesso nisso – depois de aparecer em cerca de uma dúzia de filmes espanhóis, ele ganhou reconhecimento internacional pela primeira vez por interpretar o poeta cubano Reinaldo Arenas em Antes do Anoitecer, de Julian Schnabel, em 2000 e, como resultado, tornou-se o primeiro ator espanhol a ganhar um Oscar. Mais tarde, ele se tornou o primeiro ator espanhol a ganhar um Oscar por interpretar um assassino aterrorizante no filme dos irmãos Coen de 2007, No Country for Old Men. Este ano, Bardem interpreta um líder rebelde em Duna de Denis Villeneuve e – como ele aprendeu em um texto de Josh Brolin que dizia: “Te vejo no deserto, filho da puta” – ele aparecerá na sequência. Ele também estrela a sátira social The Good Boss, a apresentação da Espanha ao Oscar deste ano sobre um dono de fábrica desesperado, que é indicado à 20 Goya Awards, a versão espanhola do Oscar, e acabou de filmar a adaptação live-action de Rob Marshall de A Pequena Sereia, no qual ele interpreta o Rei Tritão. “Tive a sorte de ser incluído em uma indústria cinematográfica que vai além da indústria cinematográfica espanhola”, diz Bardem. “Ser Desi Arnaz nos anos 50 nos Estados Unidos era uma coisa diferente. Era como ser um alienígena. Era algo muito único, especialmente quando você era casado com um ícone americano. As pessoas realmente não o respeitavam pelo que ele era.”

Quando perguntado sobre a crítica de que o papel deveria ter sido para um ator latino-americano, Bardem claramente tem se preparado para a pergunta, e ele vê como uma que muitas vezes é injustamente colocada para atores que falam inglês como segunda língua. “Sou ator e é isso que faço para viver: tento ser pessoas que não sou”, diz Bardem. “O que fazemos com Marlon Brando interpretando Vito Corleone? O que fazemos com Margaret Thatcher interpretada por Meryl Streep? Daniel Day-Lewis interpretando Lincoln? Por que essa conversa acontece com pessoas com sotaque? Você tem seu sotaque. É aí que você pertence. Isso é complicado. Onde está aquela conversa com pessoas de língua inglesa fazendo coisas como The Last Duel, onde deveriam ser franceses na Idade Média? Isso é bom. Mas eu, com meu sotaque espanhol, sendo cubano? O que quero dizer é que, se queremos abrir a lata de minhocas, vamos abri-la para todos. O papel veio à mim, e uma coisa que eu tenho certeza é que vou dar tudo o que tenho.” Mais tarde na conversa, Bardem traz a questão novamente. “Eu ia acrescentar algo sobre a famosa pergunta. Todos devemos começar a não permitir que ninguém jogue Hamlet, a menos que tenha nascido na Dinamarca”. Um dia depois da entrevista, Bardem ainda está pensando sobre isso, e envia por e-mail algo mais que ele queria dizer sobre o assunto, no qual ele parece ter pensado mais no assunto não apenas de sua própria exclusão, mas também da exclusão de outros. “Reconheço que existem muitas vozes e histórias sub representadas que precisam ser contadas, e devemos coletivamente fazer melhor para fornecer acesso e oportunidades para mais histórias e contadores de histórias latino-americanas”, diz ele no e-mail.

Como seus colegas de tela, Kidman e Bardem são artistas prolíficos casados com artistas, ela com o cantor de música country Keith Urban, ele com a atriz Penélope Cruz.

“Havia tantas coisas quando li o roteiro pela primeira vez com as quais me identifiquei”, diz Kidman, que tem quatro filhos. “Uma sensação de tentar fazer um casamento dar certo, fazendo malabarismos com o desejo de ter filhos, de ‘quero ter uma carreira, mas quero ter a casa’.” Em 2021, Kidman estrelou e produziu a minissérie da Hulu, Nine Perfect Strangers e a próxima série da Amazon, Expats; ela filmou o filme da Focus Features de 2022, The Northman, no qual ela interpreta uma rainha viking, e a sequência de Aquaman da Warner Bros./DC Films de 2022, na qual ela interpreta a mãe de Aquaman. “E então a ideia de ser um casal que é profundamente protetor um do outro”, diz ela. “Eu me identifico com isso e entendo.”

Onde Bardem sente que se afasta de Arnaz está no aparente conforto de seu personagem com o grau de celebridade do casal. “Uma das coisas que me diferencia de Desi é o quanto eu acho que ele amava os olhos do público”, diz Bardem. “Ele amou. A maneira como ele sai do teatro e diz: ‘O que temos que fazer hoje?’ Ele gosta. Eu não gosto necessariamente.”

Com os dois atores ansiosos desde o início por terem assumido os papéis, uma primeira leitura da mesa não foi exatamente inspiradora. Realizado do lado de fora em um dia ventoso, no topo de uma estrutura de estacionamento no Sunset Gower Studios e com elenco mascarado para cumprir as diretrizes do COVID, foi, diz Bardem, “muito estranho”. “Estávamos gritando a plenos pulmões, esse roteiro grosso com a qualidade dessas palavras, para ser gritado em um estacionamento. Achei que ia ser demitido imediatamente.”

Enquanto Sorkin não sentia necessidade de respeitar a imagem do casal na televisão, Bardem e Kidman queriam acertar. Ela mandava vídeos para Sorkin dela trabalhando em Lucy Ricardo usando calça de moletom, o cabelo preso em um rabo de cavalo. “Ele ficava tipo, ‘Sim, sim. Bom, bom’”, diz ela. “Mas ele nunca foi hiper vigilante com essas coisas. Eu estava tipo, ‘Bem, deixe isso para mim, então. Não é a obsessão dele, mas pode ser a nossa obsessão [dela e de Bardem]’” Quando o filme estava quase pronto, Kidman fez algo que nunca havia feito antes em um filme e pediu para participar de uma exibição de teste. “Eu simplesmente não queria sentar sozinha e assistir sozinha em um cinema”, diz ela. “Há outra parte dessa equação, que é uma audiência.” Ela apareceu na exibição em Los Angeles com Urban e sentiu um aperto no estômago. “Eu vi Aaron fumando, parecendo que ia desmaiar”, diz Kidman. “Eu disse: ‘Isso é um desastre’, mas então ouvi as pessoas rirem. As pessoas riram!”

“Nós os amamos, essas duas pessoas”, diz Kidman sobre Ball e Arnaz. “E não ao ponto de você não mostrar suas falhas, sua humanidade. Isso é o que eu senti que este filme era mais – era humano.” E então, enquanto sua declaração sincera, dramática e atriz paira lá, Kidman a pontua com um barulho, o choro exagerado que Ball faria sempre que Lucy Ricardo estivesse descontente. “Wahhhhhhhh,” o som ricocheteia nas paredes do estúdio. “Isso é o que eu sempre faço agora”, diz Kidman. “Ahhhhhh. Eu nunca vou deixar de fazer. É o melhor som de todos os tempos.”

Photoshoots > 2021 > The Hollywood Reporter

NKBR00092.pngNKBR00096.jpgNKBR00097.jpgNKBR00098.jpg

Tradução: NKBR | Fonte.

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Nicole Kidman Brasil © 2022