Bem-vindos ao Nicole Kidman Brasil, a sua maior e melhor fonte de informações da atriz Nicole Kidman no Brasil. Temos o intuito de levar informações sobre a carreira da atriz para fãs e admiradores, não temos fins lucrativos, somos um site não-oficial e não possuímos qualquer vínculo com Kidman, sua família e equipe. Esperamos que gostem!

A nova série antológica ‘Roar’ acaba de chegar ao Apple TV+, abrangendo gêneros, personagens e configurações. Excepcionalmente, cada um dos oito episódios independentes apresenta uma mulher tendo que enfrentar um obstáculo universal que as mulheres enfrentam, de uma maneira extraordinária. O programa apresenta de tudo, desde mulheres comendo fotografias para preservar o passado, sendo mantidas em uma prateleira como um troféu e encontrando marcas de mordidas em seus corpos enquanto sua culpa materna se manifesta fisicamente. Alinhados com o lançamento do programa, Nicole Kidman (que protagoniza o episódio 2 e também é produtora executiva), as diretoras Liz Flahive e Carly Mensch e a produtora executiva Bruna Papandrea contam tudo o que você precisa saber sobre “Roar”.

Nossa primeira pergunta, foi realmente voltar ao livro de Cecilia [Alhern], quais foram seus pensamentos iniciais quando você leu o livro pela primeira vez?

Carly Mensch: Acho que [Bruna] foi a primeira a ler?

Bruna Papandrea: Tenho certeza de que Nicole e eu lemos e geralmente lemos tudo ao mesmo tempo porque mandamos algo uma para a outra e foi uma corrida para ver quem conseguia ler mais rápido. Na verdade, lembro-me de um momento muito significativo. Eu estava com meus filhos muito pequenos na época, era muito caótico e eu lembro de ler o livro e conversar com Cecilia, e a história que realmente me impressionou no começo foi ‘A mulher que encontrou marcas de mordida em sua pele’. Porque eu era uma mãe de primeira viagem, eu tinha uma carreira, e eu estava tão esgotada e frenética, e eu ficava me perguntando: ‘As mulheres não podem fazer tudo, isso é um mito?’ Lembro-me de falar com Cecilia sobre sua inspiração com seu terceiro ou quarto filho e literalmente caminhar até o lado de uma colina escrevendo esta história à mão. Para mim, apenas senti que havia tantas histórias específicas que ressoariam nas pessoas em todos os lugares e elas gravitariam em torno disso. No meu caso, foi o que na época me pareceu muito relevante. Como em tudo, liguei para Nicole primeiro e depois conversamos sobre isso.

Nicole Kidman: Em primeiro lugar, para mim, eu fui, li e pensei: “Como você faz algo realmente ousado e divertido, mas junta ótimas pessoas?” Porque muito da experiência são as pessoas, sabe? As histórias eram fortes, mas era mais como, “Com quem íamos ter química? E quem iria trazer sua própria marca para isso?” Liz [Flahive] e Carly, elas são exemplos brilhantes de mulheres ousadas e criativas que estão realmente trilhando seus próprios caminhos. Isso é o que este livro era para mim; contando essas histórias, mas apoiando essas histórias. Queremos dar papéis para as mulheres e as coisas que elas estão pensando que podem ser estranhas, podem ser completamente privadas, podem ser vergonhosas, podem ser todas essas coisas. Mas podemos trazê-los à tona e dizer, “Estamos todos experimentando, experimentamos ou conhecemos alguém que está experimentando”. Mas não pregando, dando aquela forma de realismo mágico onde também é convidativo para assistir – esperançosamente cativante.

Liz Flahive: Acho que para nós, Carly e eu estávamos recebendo muitas, muitas coisas depois de Glow e também raramente respondemos à mesma coisa. lembre-se muitas vezes, eu vou ler algo e gostar, e Carly vai odiar e isso não é uma coisa que funciona para nós e vice-versa. Quando lemos isso, ficamos tipo “Hum” e então no dia seguinte nós estávamos tipo, “Hm”. Isso continuou nos atormentando e começamos a falar sobre isso e tivemos uma sensação semelhante de que havia muito espaço para fazermos nossas próprias coisas. Depois de conversarmos com Cecilia, ficou muito claro que ela estava aberta a realmente nos deixar adaptar com A maiúsculo e fazer muitas das histórias que realmente levamos a sério. Acho que uma grande parte da nossa resposta ao livro foi que parecia que havia espaço para nós e havia muitas coisas lá que poderíamos responder e expandir livremente.

Carly: É engraçado, as histórias ficaram conosco, mas também as imagens. Lembro-me de guardar essas imagens por semanas. Lembro-me de ler as histórias e depois ter flashes de uma mulher comendo uma fotografia, uma mulher sentada em uma prateleira. Eu acho que isso foi um pouco novo para Liz e eu, nós definitivamente nos conectamos narrativamente, mas acho que algo que foi novo e emocionante para nós foi a rigidez imagética e quão travessas as histórias eram em algum nível.

Nicole: Sim! Pernicioso!

Liz: Quando começamos a decupa-los, eles se transformaram em um desafio. Todos eles têm esse tipo de espírito,mesmo em fazê-los, sabe?

Nicole: Verdade ou desafio ou ambos.

Liz: Exatamente, ambos. Idealmente ambos.

Nicole: Idealmente ambos.

Seguindo isso, Nicole, você poderia falar um pouco sobre como foi a realização desse projeto?

Foi uma daquelas coisas em que foi extremamente fácil. Era como se todas pulássemos juntas. Veio de dentro e era muito fluído, havia um fluxo para ele. Estávamos telefonando e falando e a parte mais difícil foi, “Que histórias?” Liz e Carly tinham ideais muito fortes sobre quais escolher, e você diz: “Qual deles? Qual deles? Há apenas uma certa quantidade de tempo e dinheiro para que você tem que dizer, “Rápido, quais são os que estamos todas nos relacionando?” e eu acho que para mim, a fotografia um era algo que poderia acontecer na Austrália, que era importante para mim. Eu queria ter uma noção profunda de quem eu sou nele. Estranhamente, também foi durante a COVID, então parecia que seria muito mais fácil filmar lá. Foi muito fácil. Foi meio que mais uma união fortuita. Nunca houve um esforço pra isso, o que eu acho bonito, foi como, “Bem, você acha que, vamos pensar nisso, vamos fazer isso, vamos fazer aquilo.” Liz e Carly são tão fortes e extraordinárias em suas atitudes ousadas. Elas são apenas como, “Não é assim que nós queremos estruturá-lo. Isto é o que pensamos. Isso é o que sentimos.” E então elas permitem ideias. Elas também são líderes, o que é uma coisa linda quando você é uma atriz. Elas têm um forte senso de parceria, mas também sendo as diretoras e criadoras. Sua liderança é quente, mas muito, muito forte; e eu adoro isso. Desde o início acho que estávamos todas na mesma página. Todo mundo estava no jogo e como coletamos outros artistas e outros diretores; todo mundo estava realmente no jogo. Você tem que entrar de cabeça no que estamos tentando fazer. Há muitas ideias estranhas neste projeto e nós o amamos. Tínhamos pessoas que estavam realmente dispostas a se envolver e se doar totalmente para o seu episódio e foi emocionante.

Nicole: Sim, porque há um senso de natureza experimental para ele que é realmente ousado e tivemos apoio da Apple, e estamos tão gratas a eles por fazer isso. Nos dar essa chance e apoiar novos cineastas, nos apoiando como mulheres, acolhendo narrativas como essas e nos dando uma confiança enorme e, é raro, sabe? É muito raro. É com isso que estamos todos comprometidos. Mas também não queríamos fazer como, “Oh, vamos apenas preencher isso com grandes nomes, com pessoas realmente famosas e apenas encontrar esses cineastas idiossincráticos para entrar e nos ajudar, ou dar às pessoas como Kim Gehrig uma chance”, quando ela não teve a chance de fazer drama com atores com quem ela quer trabalhar. Dê-lhe uma chance nessa fase da vida, já que está com seus 40 anos, onde ela trabalhou e ela está criando filhos e não teve tempo de fazer algo. Ela poderia ter feito comerciais e ela poderia fazer clipes de músicas, mas ela não tinha realmente o tempo ou o meio por causa de seus compromissos como mulher e por ter uma família, para ir e fazer um longa-metragem. Esta era a sua chance de ir e colocar o dedo na água e fazer isso com o drama. É tão bom poder fazer isso. É tão bom poder dizer as outras mulheres, “Oh, nós vamos apostar em você e nós vamos dar-lhe uma chance que nenhum outro está dando-lhe agora.”

O resultado é realmente extraordinário. Qual episódio você diria que é o mais diferente do quevocê imaginou inicialmente, quando você leu o livro pela primeira vez, e que é o mais semelhante, e por quê?

Liz: Acho que o que é mais diferente de quando lemos no livro foi definitivamente “A Mulher que Foi Alimentada por um Pato” e que era diferente de sua criação. Essa foi uma história que Carly e eu não estávamos considerando de nenhuma maneira, até que trouxemos Halley Feiffer à bordo. A maneira como trabalhamos com os escritores foi que, enviamos o livro e perguntamos a eles quais histórias lhes instigava mais, e então eles escolheram algumas e tivemos de deixar outras de lado. No livro é sobre uma mulher que está tendo um dia ruim e um pato sai da lagoa e fala com ela e dá-lhe alguns conselhos.

Carly: O pato a alimenta com seu conselho. Era para ser de uma forma positiva. Nós lemos o livro e circulamos o que achávamos interessante pra nós, mas eu acho que no espírito do que Bruna e Nicole estavam infundindo em nós, queríamos deixar os escritores se sentirem empoderados paraseguirem sua própria criatividade e inspiração. A resposta de halley para essa história, nós estávamos tão surpresas com o que ela disse. Essa foi a primeira coisa que ela respondeu, ela disse: “Sabe, eu estava realmente irritada com esse pato. Ele era realmente um escroto e muito tóxico! Eu pergunto se há uma relação a ser explorada entre este tipo de homem tóxico pato e essa mulher no banco? Liz e eu estávamos em primeiro completamente surpresas e em seguida, animadas por ver que alguém percebeu algo que não tinha na história, e nós ficamos tipo, “Continue Halley, estamos apoiando você.” Cada passo ao longo do caminho nós quatro aqui teríamos reações diferentes, mas então todas nós seríamos como “Mas se não estamos nos apoiando, por que estamos fazendo esta série?” E eu me lembro que Nicole insistiu nesse episódio, mais do que ninguém.

Nicole: Eu acho que a coisa mais importante era continuarmos caminhando juntas, “Ouça, é muito fácil de fazer o que é esperado, e é muito fácil caber em uma caixa. E é muito fácil quando você tem algum tipo de sucesso para dizer: ‘Ok, nós estamos apenas indo para onde podemos chegar’ É muito mais difícil continuar tendo esse tipo de espírito “indie”, onde você apenas vai”. Eu tenho que ter o espírito indie vivo e para sempre em mim, e se eu puder fazer isso, então eu vou continuar explorando, crescendo, e mudando. Esta série era sobre, para mim, apenas ir, “Não basta fazer o que é esperado aqui e fazer as coisas normais, é sempre estar tentando encontrar diferentes maneiras de expressar, apoiar e avançar.” Essa é a essência para mim. Qualquer coisa que fosse meio estranha ou extremamente estranha, estamos todas em um lugar em que somoscapazes de apoiar a pesquisa e explorar; Por que não? Às vezes isso vai ser incrivelmente bem sucedido e às vezes vai ser como, “O quê?” e algumas pessoas vão reagir brilhantemente a isso. Toda a minha carreira foi baseada nisso. Nunca vou parar de fazer isso e adoro. Eu amo quando se criam discussões ou as pessoas ficam com raiva, ou as pessoas ficam chateadas, ou as pessoas ficam emocionadas, ou as pessoas ficam alegres porque a maneira segura é realmente aterrorizante para mim. A segurança me apavora.

Bruna: Eu ia dizer, foi quando eu soube que você era a pessoa certa para estar produzindo esse episódio. Me lembro muito claramente desta história e eu lembro de Liz e Carly estarem, “Ok, então aqui está o que é…” e elas estavam apenas falando sobre isso, e eu fiquei, “Oh foda-se, isso nunca vai dar certo“, e eu me lembro de você dizendo, “Sim, sim, sim, isso é ousado!”, e eu me lembro de estar pensando, é por isso que sua carreira Nicole é definida por fazer…

Nicole: O mais estranho!

Bruna: Mas também acho que as pessoas não sabem isso sobre você, você é do tipo, “Sim, por que não? Vamos lá.” É um nível de experimentação e estamos na porra da narrativa visual; você pode correr riscos. Esse foi o ponto principal do projeto e, claro, Liz e Carly cuidadosamente guiando tudo isso, você sabe que isso vai ser bom, mesmo que algumas pessoas não entendam. Eu me lembro de naquele momento ter pensado: “Deus, estou mais segura que você.”

Nicole: Comer fotos é a sensação mais estranha que tenho pra compartilhar. Sentada em um banheiro minúsculo, comendo fotografias, e então parece tão óbvio ao mesmo tempo. É o máximo da estranheza e a primeira vez que eu fiz isso, e eu fiquei, “Oh, sim, na verdade isso é como uma caixa de chocolates. É interessante como se você apenas mudar sua percepção do que é estranho e o que não é, e talvez eu apenas seja estranha, mas não parece tão estranho para mim. Eu acho que sempre seremos,mulheres, tentando coisas. Eu poderia falar por nós quatro quando digo que você nunca irá destruir seus espíritos.” Esse era o nosso compromisso umas com as outras. Quando a COVID veio e perdemos nossas locações – e você não pode entrar em aviões e você tem que estar de quarentena – estávamos tão contra isso em tantas maneiras diferentes, como foram todas as produções que estavam sendo filmadas durante este período. Mas entre desistir e abandonar e mandar todos embora podíamos então; “Ah, ok! Vamos transformar esses limões em limonadas”.

Bem, Nicole, as pessoas estão curiosas para saber se você realmente comeu essas fotos.

Nicole: Eu comi. Eu comi e eu tenho uma irritação na pele em torno da minha boca.

Liz: Eram feitos de marzipan e papel de arroz. Tínhamos duas versões.

Nicole: Então houve um que era só mais… eles ficavam dizendo: “Ah não, é papel de arroz”, mas realmente tinha gosto de papel. Essa foi realmente a mais deliciosa. O marzipan foi um pouco demais.

Liz: É grosso.

Nicole: Foi meio doentio, mas comi tantos, comi uns 50 deles e então pensei: “Talvez eu tenha ido longe demais.” Eu não percebi. Eu estava tão presa no momento, como é meu jeito, que eu não sabia quantos eu tinha comido. Eu tinha uma irritação enorme na pele, em volta da minha boca e eu disse, “Ooh, eu sinto realmente…” mas eu comi 20 bananas uma vez em um filme chamado “Reencarnação”.

Você poderia compartilhar conosco qual história você se identifica mais pessoalmente e por que?

Liz: Eu acho que ‘[A mulher que encontrou] marcas de mordida [na pele]’, eu não vou falar pela Carly, mas acho que estou falando por nós duas. Essa foi a nossa maneira de mergulhar. Foi o primeiro que escrevemos. Quando começamos a escrevê-lo, eu tinha dois filhos pequenos e quando fizemos nossa revisão final, Carly tinha dois filhos pequenos. Foi realmente uma daquelas histórias que se desenvolveram quando Cynthia [Erivo] veio à bordo e Rashida [Jones] veio à bordo, mas o núcleo dele, sendo capaz de realmente externalizar uma história sobre a culpa materna era algo que eu acho que eu senti que era realmente pessoal para nós duas. Foi um daqueles episódios em que eu me lembro, e isso não é geralmente como estamos no set, mas eu me lembro que havia uma linha quando estávamos no ensaio, e Carly disse, “Eu não sei se meu marido pode assistir isso. Isso parece tão autobiográfico, essa cena.”

Carly: Acho que tinha acabado de ter um filho um dia antes de começarmos a filmar. Então

Eu estava começando o projeto completamente perdida e depois tendo que ensinar Cynthia como usar uma bomba de amamentação e eu disse, “Estou muito perto”, mas sim, essa parecia a mais autobiográfica. Uma história que não mencionamos muito, mas ‘A mulher que devolveu seu marido’ foi escrita sobre um casal mais velho, que é inspirado pelos pais de Vera Santamaria. Eu também acho que é profundamente relacionável, a alguém que está em um casamento. É um “E se?” sobre como sãoas falhas e pontos de ruptura em casamentos, e por que as pessoas voltam? Eu acho profundamente relacionável embora como Liz disse, eu acho que para nós é definitivamente ‘[A mulher que encontrou] Marcas de mordida [Na pele dela]’.

Nicole, espero que você realmente consiga fazer mais oito.

Nicole: Eu adoraria que nós tívessemos a chance de fazer mais oito deles, porque eles são tão deliciosos, e espero que haja uma delíciosidade ao assisti-los. A grande coisa é, você gosta de um, você pode assistir outro; você não gosta de um, você pode ir para o outro. Lá há sabores para todos, o que é divertido. Acho isso muito divertido.

O que mais te deixa animada sobre os episódios que vão estrear?

Nicole: Estou em um dos oito. Então, eu realmente queria apoiar outras pessoas. Há um ponto em sua carreira onde você pode, “Deus, eu tenho a chance de fazer com que as coisas sejam feitas”. Eu não tenho que ser a protagonista nele, eu posso ser útil e ajudar, oferecer o espaço pra que outras pessoas possam brilhar. Isso foi provavelmente o que mais me deixou animada. Quando você vê algumas das atuações, dos textos, e a direção, é lindo e realmente interessante e fabuloso.

Todos os 8 episódios de Roar estão disponíveis na Apple TV+.

Tradução: NKBR | Fonte

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Nicole Kidman Brasil © 2022